PUBLICIDADE

Na Indonésia, eleições são a ‘festa da democracia’, com flores, Homem-Aranha e Thor; veja fotos

A celebração do ato de votar tem uma ressonância especial na Indonésia, que até poucas décadas atrás era uma ditadura brutal

Por Muktita Suhartono , Sui-Lee Wee e Hasya Nindita

THE NEW YORK TIMES -Os jovens andavam de cabine em cabine, fazendo perguntas sobre o histórico e as visões dos candidatos presidenciais para o país. A alguns passos de distância, os eleitores de primeira viagem votavam em cabines de votação simuladas. E no palco, convidados de programas de entrevistas discutiam como fazer uma escolha informada ao apoiar um candidato.

Essa reunião de mais de mil pessoas em um domingo recente em Jacarta, capital da Indonésia, foi o prelúdio de uma comemoração que é conhecida aqui como “Pesta Demokrasi”, ou “Festa da Democracia”.

Seções de votação na Indonésia têm funcionários fantasiados de super-heróis, como Homem-Aranha e Thor. Foto: Zabur Karuru/Antara Foto

PUBLICIDADE

Também conhecido como Dia da Eleição, é quando dezenas de milhões de pessoas em todo esse vasto arquipélago de milhares de ilhas se dirigem às seções eleitorais que, às vezes, são decoradas com balões, guirlandas e flores e atendidas por funcionários fantasiados de Homem-Aranha, Batman, Thor ou outros super-heróis.

Depois de votar nos candidatos à presidência, ao parlamento e ao legislativo local, as pessoas acampam perto de seus locais de votação com alimentos enquanto aguardam as primeiras apurações. A próxima “festa” será nesta quarta-feira, 14.

Apoiadores dançam durante um comício de campanha de Ganjar Pranowo, um dos candidatos presidenciais da Indonésia, em um estádio em Jacarta Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP

Eleições livres e justas na Indonésia eram impensáveis até meados da década de 1990, quando o país ainda estava sob o governo brutal de Suharto. Mas após sua queda, em 1998, o país emergiu como a terceira maior democracia do mundo.

Em parte porque o dia da eleição é um feriado nacional, o comparecimento às urnas tem sido um dos mais altos do mundo e atingiu um recorde de 80% em 2019.

Com a idade mínima para votar fixada em 17 anos, o maior bloco desta vez é formado por pessoas com menos de 40 anos, que representam mais da metade dos 205 milhões de eleitores da Indonésia.

Publicidade

A eleição presidencial é uma corrida tripla, e os outdoors com os rostos dos três candidatos - Anies Baswedan, Prabowo Subianto e Ganjar Pranowo - aparecem nas principais estradas.

Seus debates são discutidos com furor no Instagram, TikTok e X (antigo Twitter). Os indonésios se referem aos três homens pelos números de seus candidatos, portanto, nas casas, warungs e cafés daqui, a pergunta inevitável é: “Você vai votar no 1, 2 ou 3?”.

Um evento de campanha do Partido Democrático da Luta da Indonésia em maio de 1999. Alguns dos participantes do comício usavam trajes tradicionais do teatro indonésio, um dos primeiros exemplos de como as campanhas políticas no país se tornaram ocasiões festivas. Foto: Eddy Purnomo/AFP

Votos com base na escolha da família

Mas mesmo esse vibrante processo eleitoral tem seus limites. “A Indonésia é muito nova na democracia, e muitas pessoas não estão acostumadas a escolher seus candidatos com base em históricos e ideias”, disse Abigail Limuria, organizadora do encontro “Festival Eleitoral” em Jacarta, que teve como objetivo educar os eleitores sobre os candidatos e as questões. “Muitos deles apenas votam com base em quem sua família está escolhendo.”

Essa campanha também levantou sérias questões sobre o futuro das normas democráticas duramente conquistadas na Indonésia. Joko Widodo, o popular presidente em exercício que está impedido de buscar um terceiro mandato de cinco anos, alarmou os críticos com maquinações dinásticas que permitiram que seu filho concorresse à vice-presidência.

Embora não tenha explicitamente endossado ninguém, ele parece ter planejado uma aliança com Prabowo, um antigo rival que há muito tempo é acusado de abusos dos direitos humanos e que já foi casado com uma filha do ditador Suharto.

No entanto, ainda existe a crença de que cada voto é importante. “Estou encarando isso como uma oportunidade de contribuir para mudar a Indonésia para melhor”, disse Shiela Mutia Larasati, 25 anos, empresária do setor de moda que mora em Jacarta. “Antes, eu ainda era jovem e apática. Mas agora, tenho esperança na Indonésia.”

Um comício de campanha de Prabowo Subianto em Jacarta no sábado, 10 Foto: Kim Kyung-Hoon/Reuters

As eleições recentes na Indonésia, que tem a maior população muçulmana do mundo, foram prejudicadas por uma campanha feia - Joko Widodo foi chamado de “cristão chinês” (ele não é nenhum dos dois), e Prabowo, que tentou a presidência várias vezes, mas nunca ganhou, foi perseguido por perguntas sobre quantas vezes ele orava em um dia.

Publicidade

Fazer campanha costumava significar distribuir alimentos para conseguir votos. Mas neste ano, a discussão política parece estar mais aberta sobre questões como democracia e defesa, mesmo que todos os candidatos à presidência ofereçam uma visão semelhante à de Joko: política baseada em projetos de infraestrutura e bem-estar.

“Acho que esse é um bom sinal do aprimoramento da democracia”, disse Danis Syahroni, 24 anos, estudante de pós-graduação da Universidade Gadjah Mada, na cidade de Yogyakarta. “Podemos debater e discutir as ideias dos candidatos.”

Cerca de 1.200 jovens compareceram a um salão de convenções em Jacarta, onde foi realizado o “Festival das Eleições”, conhecido localmente como “Festival Pemilu”. No meio da tarde, a fila era tão grande que os organizadores tiveram que mandar as pessoas embora. Uma das atrações principais era um grupo de jovens comediantes conhecido como “Trio Netizen”.

“Se você for eleito e se tornar alguém importante, não fique louco, está bem?”, disse um dos comediantes, Eky Priyagung, uma referência à eleição de 2019, quando o oposto aconteceu: candidatos que perderam ficaram tão arrasados que tiveram de procurar tratamento hospitalar para sua saúde mental. A plateia caiu na gargalhada. (Neste ano, vários hospitais anunciaram que prepararam alas psiquiátricas para os candidatos).

Apoiadores de Anies Baswedan comprando material de campanha em um comício em Jacarta na quinta-feira, 8. Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP

O evento foi organizado por um site chamado “Bijak Memilih”, ou Escolha com Sabedoria, que atende a jovens eleitores. Abigail disse que queria criar o site porque muitos jovens expressaram confusão sobre em quem votar nesta eleição. Alguns são céticos em relação à independência dos meios de comunicação do país, que pertencem a magnatas que seguem os interesses de seus patronos políticos.

Para levar os eleitores às urnas, os ativistas têm se valido de memes e truques, como a publicação de vídeos no TikTok equiparando os candidatos a várias músicas de Taylor Swift. Uma campanha do Spotify, Wrapped, sobrepõe de forma divertida a música às estatísticas de corrupção.

Pelo menos um candidato também usou a mídia social a seu favor. Com a ajuda de táticas digitais inteligentes, Prabowo teve algum sucesso em se transformar de um general temido em um avô fofo. Muitos jovens simplesmente não sabem sobre seu passado. Sua aparente aliança com Joko também ajudou sua popularidade.

Publicidade

Nas últimas semanas, a oposição a Prabowo se uniu em torno de imagens de pessoas brandindo quatro dedos em uma mão. A mensagem: os eleitores devem escolher qualquer um, exceto Prabowo, e escolher o número 1 (Anies) ou o número 3 (Ganjar).

Trabalhadores usam barcos para transportar urnas eleitorais para a ilha de Bulang na quarta-feira, 7. Foto: Antara Foto/Reprodução

Anies, ex-governador de Jacarta, encontrou apoio de um bloco improvável: os fãs indonésios de k-pop. Eles alugaram um food truck, financiaram outdoors digitais e encomendaram bastões luminosos para seu último comício antes da eleição. Muitos dizem que foram conquistados por Anies depois que ele saiu de um debate e fez uma transmissão ao vivo no TikTok com seus apoiadores, onde, como uma estrela do k-pop, respondeu a perguntas sobre sua vida amorosa e seus livros favoritos.

Se nenhum dos três candidatos obtiver mais de 50% dos votos, a disputa irá para o segundo turno em junho. Pesquisas recentes sugerem que Prabowo poderia ultrapassar a marca dos 50%, mas isso está longe de ser certo. A única certeza é o alto nível de engajamento cívico.

“Estou muito animada para participar da festa da democracia”, disse Kayla Jasmine, 20 anos, uma eleitora de primeira viagem que participou do Festival Eleitoral em Jacarta.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.