PUBLICIDADE

Museu na Inglaterra reconhece imperador romano como mulher trans e mudará pronome em exposições

Decisão se baseia em textos clássicos que afirmam que Heliogábalo pediu para ser chamado de ‘senhora’

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Um museu do Reino Unido deve mudar o pronome utilizado para tratar uma figura do império romano em suas exposições após concluir, por meio de textos clássicos, que a preferência do imperador, historicamente tratado como homem, era por pronomes femininos. As informações são do jornal britânico The Telegraph.

PUBLICIDADE

O Museu North Hertfordshire, em Hitchin, na Inglaterra, disse que será “sensível” às supostas preferências de pronomes de Heliogábalo, que foi governante no século 3, e dará tratamento nas exposições como uma mulher transexual.

A decisão se baseia em textos clássicos que afirmam que Heliogábalo pediu para ser chamado de “senhora”. De acordo com o museu, em um relato de Dião Cássio, um cronista romano, que escreveu que Elagabalus foi “chamado de esposa, amante e rainha”, disse a um amante “Não me chame de Senhor, pois sou uma Senhora”, e pediu para que lhe fossem feitos órgãos genitais femininos.

Busto de Heliogábalo, que foi governante no século 3, exibido no Museu Capitolino, em Roma.  Foto: Divulgação/Museu Capitolino

Porém, esses relatos dividem opiniões, já que alguns historiadores apontam que essas supostas declarações podem ter sido atribuídas a Heliogábalo como forma de tentar manchar sua imagem. Essa teoria se potencializa pelo fato de que Dião Cássio serviu ao imperador Alexandre Severo, que assumiu o trono após o assassinato de Heliogábalo.

O museu possui um denário de prata cunhado no reinado de Heliogábalo. Nas exibições que apresentam a moeda, informações sobre ela e Heliogábalo, serão utilizados pronomes femininos. Heliogábalo governou Roma de 218 até seu assassinato, aos 18 anos, em 222.

Museu North Hertfordshire, no Reino Unido, pretende mudar o pronome utilizado para se referenciar a Heliogábalo, imperador historicamente tratado no masculino. Foto: Museum North Hertfordshire/Divulgação

“Tentamos ser sensíveis na identificação de pronomes para pessoas do passado, assim como somos para pessoas do presente. É apenas educado e respeitoso. Sabemos que Heliogábalo se identificou como mulher e foi explícito sobre quais pronomes usar, o que mostra que os pronomes não são uma coisa nova”, disse Keith Hoskins, conselheiro Liberal Democrata e membro executivo para artes no North Herts Counci, ao The Telegraph.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.