PUBLICIDADE

Lula associa Hamas ao terrorismo pela primeira vez e critica ‘reação insana’ de Israel

Pela primeira vez desde os atentados terroristas do dia 7, petista menciona grupo palestino, mas critica também reação israelense

PUBLICIDADE

Foto do author Felipe Frazão
Por Felipe Frazão
Atualização:

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva associou pela primeira vez nesta sexta-feira, 20, o Hamas aos atos de terrorismo de 7 de outubro, em Israel. O presidente já havia condenado o massacre de civis cometido pelos terroristas de origem palestina e usado o termo “terrorismo” para se referir aos ataques, mas omitira a autoria do Hamas. No mesmo discurso, Lula afirmou que a reação das Forças de Defesa de Israel é “insana”.

PUBLICIDADE

Oficialmente, o governo hesita em classificar o Hamas como grupo terrorista, apesar de cobranças internas sua base política e da oposição no Congresso. Na semana dos atentados, o Itamaraty chegou a ser alvo de críticas em consequência das notas que emitiu sem mencionar o grupo radical palestino como responsável pelos ataques.

“Fico lembrando que 1500 crianças já morreram na Faixa de Gaza, 1500 crianças que não pediram para o Hamas fazer o ato de loucura que fez, de terrorismo, atacando Israel. Mas também não pediram para que Israel reagisse de forma insana e matasse eles, justamente aqueles que não tem nada a ver com a guerra, que só querem viver, brincar, que não tiveram o direito de ser criança”, afirmou Lula, de improviso.

O Hamas matou ao menos 1,4 mil israelenses, incluindo três com cidadania brasileira, nos ataques terroristas dia 7 de outubro e sequestrou outros 199, segundo dados do governo israelense. Israel tem retaliado desde então com ataques aéreos que já deixaram mais de 2,3 mil palestinos mortos, de acordo com autoridades do Hamas em Gaza, e um cerco ao enclave. O governo israelense também prepara uma incursão terrestre no território palestino.

Lula e a primeira-dama Janja participam de videoconferência sobre os 20 anos do Bolsa Família em Brasília Foto: WILTON JUNIOR

‘Luta insana’

Isolado no Palácio da Alvorada, por causa da recuperação de uma cirurgia no quadril, Lula participou por videoconferência ao vivo da comemoração de 20 anos do Bolsa Família.

O presidente afirmou que o mundo assistia a uma “luta insana entre o Hamas e o Estado de Israel” e disse que era necessário propor “paz e racionalidade” e prestar solidariedade em razão da morte de crianças.

“Não é possível tanta irracionalidade, não é possível tanta insanidade, que as pessoas façam uma guerra tendo em conta que as pessoas que estão morrendo são mulheres, são pessoas idosas, são crianças”, afirmou Lula. “A gente não resolve problema com bala, com foguete, a gente resolve com carinho, afeto, dedicação e solidariedade.”

Publicidade

Resolução na ONU

Em apelo compartilhado nas redes sociais e dirigido às Nações Unidas no dia 11, Lula disse que “crianças jamais poderiam ser feitas de reféns, não importa em que lugar do mundo” e citou o Hamas como autor dos sequestros: “É preciso que o Hamas liberte as crianças israelenses que foram sequestradas de suas famílias. É preciso que Israel cesse o bombardeio para que as crianças palestinas e suas mães deixem a Faixa de Gaza através da fronteira com o Egito”.

Integrantes do governo já haviam associado o Hamas aos atos terroristas e ao sequestro de crianças. Com aval de Lula, a diplomacia brasileira propôs nas Nações Unidas uma minuta de resolução sobre a guerra em que dizia rechaçar e condenar “de forma inequívoca os hediondos ataques terroristas perpetrados pelo Hamas em Israel a partir de 7 de outubro de 2023 e a tomada de reféns”.

O texto acabou vetado pelos Estados Unidos.

Lista de grupos terroristas

No Senado, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, explicou que o País vai manter a tradição de adotar as designações que forem aprovadas no Conselho de Segurança das Nações Unidas. O colegiado não listou o Hamas como grupo terrorista.

PUBLICIDADE

E, conforme o chanceler, o Brasil não vai propor a inclusão do Hamas nesta categoria durante seu período como presidente do conselho, que vai até o fim de outubro. O Brasil exerce o mandato temporário de dois anos, e a presidência dos trabalhos é rotativa.

“O Hamas é um partido político também, tem um lado administrativo, e tem duas brigadas, que são o braço armado. Nem a organização como um todo, nem as brigadas foram consideradas organizações terroristas pelo Conselho de Segurança da ONU até agora. Portanto o Brasil segue essa orientação”, disse Mauro Vieira, na quarta-feira, dia 18.

Para o governo, adotar termos mais duros contra o Hamas, além de ter resistência nas Nações Unidas, poderia criar algum tipo de constrangimento, no momento em que o País tenta repatriar um grupo de cerca de 30 brasileiros, isolados e em risco na Faixa de Gaza.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.