PUBLICIDADE

Membros de tropa de elite que matou Bin Laden desaparecem em missão secreta contra houthis

Militares caíram no mar durante operação contra o tráfico de armas no Golfo de Áden; EUA dizem que desaparecimento não tem relação com ataques aéreos no Iêmen

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Dois militares da tropa de elite da Marinha dos Estados Unidos (SEALs, na sigla em inglês), responsável pela operação que matou o terrorista Osama Bin Laden em 2011, desapareceram no mar durante uma operação contra o grupo rebelde Houthi. O desaparecimento aconteceu durante uma ação de embarque de navios próximo a Somália que deu errado na semana passada, que tinha o objetivo de buscar armas iranianas destinadas aos houthis no Iêmen para a realização de ataques no Mar Vermelho, segundo duas autoridades dos EUA.

PUBLICIDADE

Os militares se preparavam para embarcar em um navio no Golfo de Áden no dia 11, um dia que o mar estava agitado. Um deles teria escorregado de uma escada, e o outro mergulhou ao ver o companheiro na água para ajudá-lo. Não está claro se outros militares embarcaram com sucesso no navio e, em caso afirmativo, se alguma arma de fabricação iraniana foi localizada.

Essas operações costumam acontecer com a interdição de embarcações suspeitas ou inimigas para abordagem, busca e apreensão. São consideradas uma das missões mais difíceis e perigosas no meio militar e costumam ser feitas por tropas com treinamento especial. Elas incluem a abordagem de embarcações suspeitas com o uso de barcos menores, com o uso de escadas e ferramentas de escaladas para o embarque em meio ao mar agitado e tripulantes hostis.

Imagem de fevereiro de 2021 mostra navio USS Winston S. Churchill durante operação de interdição de navio próximo à costa da Somália. Dois militares dos EUA desapareceram no mar durante operação semelhante Foto: Marinha dos EUA / via REUTERS

As operações de busca e resgate estão em andamento. Os maiores riscos são a água quente da região, o mar com ondas fortes e a exaustão dos militares. Segundo as autoridades, os comandantes mantêm a esperança de que os dois militares de elite estejam vivos.

Questionado sobre a operação em um programa televisivo, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, afirmou que se tratava de uma ação contínua dos militares americanos na região para interromper o envio de armas do Irã para o Iêmen, onde o grupo Houthi, apoiado por Teerã, governa em parte do país. Kirby procurou distinguir essa operação dos ataques aéreos liderados pelos EUA contra instalações houthis no mesmo dia.

O desaparecimento ressalta o desafio constante enfrentado pelo governo de Joe Biden e aliados internacionais, que responsabilizam os houthis e o Irã pelo aumento de ataques contra embarcações comerciais no Mar Vermelho, que afeta o comércio global. As autoridades americanas afirmam que Teerã é culpado de “ajudar e incentivar” a crise no Oriente Médio porque os houthis não teriam capacidade de ameaçar a rota marítima sem o apoio tecnológico e de inteligência do Irã. Os houthis dizem que os bombardeios são em protesto contra a campanha militar de Israel em Gaza.

Os ataques aéreos americanos e britânicos no Iêmen visaram várias estações de radar, locais de lançamento de mísseis e instalações de armazenamento usadas para realizar os ataques no Mar Vermelho. Segundo o Pentágono, o grupo deve continuar como uma ameaça mesmo após os ataques. O governo Biden não descartou uma futura ação militar no país, mas tem procurado agir com cuidado para evitar que a violência escale e envolva todo o Oriente Médio em guerra.

Publicidade

Antes das tensões, a atividade militar dos EUA na região já existia em parceria com outros países para conter a pirataria e o tráfico de armas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.