PUBLICIDADE

Nicarágua avalia adotar sistema de pagamento da Rússia para driblar sanções de EUA e Europa

A ditadura de Daniel Ortega estuda utilizar o sistema Mir em contraposição ao que chamou de monopólio do sistema ocidental

Foto do author Redação
Por Redação

MANÁGUA - O ministro da Fazenda da Nicarágua, Iván Acosta Montalván, afirmou que seu país avaliar seguir o exemplo de Cuba e adotar o sistema de pagamento russo Mir em oposição ao Swift como forma de driblar as sanções ocidentais, que chamou de coercitivas. Declaração foi feita durante entrevista ao site russo Sputnik. O ministro também defendeu a entrada de seu país nos Brics como forma de se contrapor aos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

“Defendemos o desenvolvimento de plataformas como o sistema de pagamento Mir da Federação Russa”, disse o ministro. Ele acrescentou que as sanções dos Estados Unidos e aliados eram medidas “coercitivas, ilegais e injustas. “Diante disso, temos todo o direito de utilizar as melhoras medidas do ponto de vista de sistemas de pagamentos. Estamos avaliando o Mir, mas também outros sistemas que nos permita neutralizar e derrotar essas agressões”.

Na mesma entrevista, Montalván defendeu o fim do monopólio dos sistemas de pagamentos e de moedas, citando diretamente os EUA, pois, segundo ele, isso permitiria a esses países utilizar esses monopólios como ferramentas de guerra.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, com o ditador da Nicarágua, Daniel Ortega, em 2014 Foto: Aleksey Nikolskyi/RIA Novosti/Kremlin/Reuters

O ministro já havia defendo o uso do Mir em declarações anteriores na mídia russa, como quando falou à agência TASS em setembro de 2022. “Agora estamos considerando várias questões de cooperação na área de finanças. Ainda não tenho certeza de como o sistema Mir funciona. Estamos analisando essas questões. Estamos abertos a várias possibilidades de câmbio bancário e financeiro”, disse na época.

O Mir foi adotado em 2017 para superar possíveis bloqueios por sanções ocidentais. Cuba já começou a implementar o sistema em caixas eletrônicos, enquanto a Venezuela está considerando a opção. Em contraste, os bancos na Turquia pararam de usar esses cartões para evitar possíveis sanções dos EUA.

Montalván também defendeu a entrada da Nicarágua nos Brics, grupo de países emergentes composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. “Temos o direito legítimo de sermos membros do projeto”, disse, complementando que o grupo impõe uma alternativa à hegemonia do Ocidente.

“É um sinal muito importante para os povos do mundo, fundamentalmente para os povos do Sul Global, de que há outros caminhos para o desenvolvimento, há outro modelo, outra forma de construir relações econômicas e políticas”, destacou o ministro, reiterando que “o Brics é a opção mais importante deste momento, a opção do século XXI”.

Publicidade

A Nicarágua se aproxima cada vez mais da Rússia conforme ambos os países recebem sanções dos países ocidentais. Na última cúpula Celac-UE, realizada em 17 e 18 de julho, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, criticou a presença do presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, chamando-o de “nazista”.

“Nesta reunião da União Europeia com a Celac, queriam incluir o fascista, o presidente nazista da Ucrânia, que ele estivesse lá” e depois apresentar uma declaração sem consenso sobre a Ucrânia, disse em um discurso no principal evento de comemoração dos 44 anos do triunfo da revolução sandinista.

A Nicarágua é alvo de sanções dos Estados Unidos e da UE devido ao tratamento reservado aos opositores desde os protestos de 2018. Ortega alega que os protestos foram uma tentativa de golpe de Estado patrocinada por Washington.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.