EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Analista político e professor de Relações Internacionais da FGV-SP. Escreve quinzenalmente

Opinião|Resultado das eleições taiwanesas representa grande derrota para Xi Jinping; leia análise

Vitória de William Lai em Taiwan sugere que ameaças de Pequim foram contraproducentes

PUBLICIDADE

Foto do author Oliver  Stuenkel

Os eleitores taiwaneses, em um ato corajoso de resistência contra ameaças explícitas do governo de Xi Jinping, elegeram presidente Lai Ching-te, conhecido no Ocidente como William Lai, candidato mais favorável à independência de Taiwan. Durante a campanha, o governo de Pequim havia feito de tudo para evitar a vitória de Lai, descrevendo-o como “grave perigo” e alertando Taiwan que se tratava de uma “escolha entre a paz e a guerra” e “a prosperidade e a recessão”. Além disso, a China inundou Taiwan de fake news para reduzir o apoio ao Partido Democrático Progressista (DPP), agremiação de Lai com a qual Pequim se recusa a dialogar. Para completar, o exército chinês fez manobras militares perto da ilha para intimidar Taiwan, e o governo de Xi Jinping aumentou tarifas sobre uma série de produtos taiwaneses, sinalizando que poderia impor sanções mais amplas se Lai vencesse.

PUBLICIDADE

É possível que as medidas chinesas tenham surtido algum efeito. O Kuomintang (KMT), partido preferido por Pequim, obteve 52 assentos no parlamento taiwanês, um a mais do que o DPP. Isso lhe dará poder de bloquear iniciativas do novo presidente, que assumirá em maio. Porém, o saldo das ameaças cruas de Pequim foi provavelmente negativo para a China: afinal, reduz ainda mais a confiança dos taiwaneses em Pequim, já fortemente abalada desde que o governo de Xi Jinping violou a promessa de respeitar a legislação local em Hong Kong depois de a cidade voltar a fazer parte da China em 1997. Como a repressão em Hong Kong aumenta ainda mais, os taiwaneses suspeitam que a reunificação com a China teria consequências devastadoras para a democracia de Taiwan, uma das mais vibrantes e consolidadas do mundo.

A retórica agressiva de Pequim tem também o potencial de acelerar ainda mais a formação de uma identidade nacional taiwanesa, distinta da chinesa: como demonstra a invasão russa à Ucrânia, nada unifica mais um povo que uma ameaça externa. Para muitos jovens taiwaneses, por exemplo, que cresceram em um regime democrático e próspero, onde zombar de políticos faz parte do debate público, a perspectiva de viver sob um regime comunista que censura até mesmo piadas leves sobre o presidente Xi Jinping é motivo de pânico.

O prsidente da China, Xi Jinping. Foto:. EFE/EPA/XINHUA / Li Xueren CHINA OUT / UK AND IRELAND OUT / MANDATORY CREDIT EDITORIAL USE ONLY EDITORIAL USE ONLY  

O que mais surpreendeu na retórica chinesa foi o amadorismo na comunicação bruta e deselegante do governo em sua tentativa de influenciar o voto taiwanês. Enquanto as interferências russas nos debates públicos em países democráticos são sutis para que pareçam notícias domésticas ou conteúdo espontâneo, ao governo chinês parece faltar habilidade para interferir na opinião pública em democracias. Enquanto o governo russo produz vídeos engajadores e muitas vezes divertidos para viralizarem nas redes sociais no país-alvo, a comunicação chinesa mantém muitas vezes um tom oficial, previsível e tosco com pouco potencial para alterar a opinião pública no exterior. Da mesma forma, a reação oficial do governo chinês à vitória de Lai em Taiwan – de que o vitorioso Partido Democrático Progressista “não pode representar a opinião pública dominante na ilha” — acaba projetando Pequim como mau perdedor.

Para Xi Jinping, teria sido mais inteligente ignorar as eleições taiwanesas e censurar o tema por completo no debate público chinês. Afinal, ao tentar influenciar o resultado de forma tão visível – inclusive para o público chinês – Xi comprou uma briga que acabou perdendo, e agora se verá em situação delicada. Se não punir Taiwan, suas ameaças futuras terão menos credibilidade. Se punir Taiwan, porém, corre o risco de alienar até aqueles eleitores taiwaneses que ainda não têm visão tão negativa do governo de Pequim.

Publicidade

É pouco provável que Lai dê passos radicais capazes de provocar uma invasão militar chinesa. Na interpretação do Partido Democrático Progressista, Taiwan já é um país independente – afinal, tem suas próprias Forças Armadas, sua própria moeda e elege seus próprios líderes. Portanto, não há necessidade de uma declaração de independência formal. Além disso, o DPP perdeu a maioria no parlamento taiwanês e dificilmente terá espaço para medidas mais bruscas. Por fim, o governo dos EUA, maior aliado de Taiwan, não apoia a independência taiwanesa neste momento, ciente de que poderia provocar um ataque militar chinês. Portanto, tudo indica que Washington manterá sua postura ambígua de estreitar seus laços com Taiwan – inclusive no âmbito militar – mas sem dar à ilha reconhecimento diplomático oficial. Nos próximos meses, a principal pergunta será como o governo chinês se comportará na administração de Lai em Taiwan.

Opinião por Oliver Stuenkel

Analista político e Professor de Relações Internacionais da FGV-SP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.