PUBLICIDADE

Rússia: festa em Moscou de celebridades ‘quase nuas’ irrita conservadores

Indignação diante das socialites seminuas realça as crescentes contradições de uma sociedade remodelada pela guerra na Ucrânia

Por Anatoly Kurmanaev

THE NEW YORK TIMES - Desculpas chorosas, patrocínios revogados, apresentações canceladas e duas semanas na prisão por usar uma meia nos órgãos genitais.

Uma repressão cada vez maior aos participantes de uma festa erótica de celebridades em Moscou sublinha uma mudança conservadora acelerada em um país onde o hedonismo tem sido tolerado há muito tempo em troca da aceitação da redução das liberdades políticas.

PUBLICIDADE

O escândalo eclodiu na semana passada, quando uma apresentadora de televisão e blogueira russa, Anastasia Ivleyeva, recebeu algumas das personalidades do show business do país em uma festa privada na popular boate Mutabor. Ivleyeva, que tem 18 milhões de seguidores no Instagram, disse que o evento foi a estreia de seu projeto fotográfico, originalmente encomendado pela filial local da revista Playboy.

Ela disse que o código de vestimenta era “quase nu” e que os convidados tiveram a liberdade de interpretar isso como bem entendessem.

As fotos e vídeos sugestivos que surgiram nas redes sociais logo depois eram comuns. No entanto, a reação negativa foi imediata e severa.

“O país está em guerra, e esta escória está fazendo isso”, escreveu um dos propagandistas mais proeminentes do país, Vladimir Solovyov, no seu canal do Telegram, horas depois do evento. “Gado que não se importa com o que está acontecendo.”

Anastasia Ivleyeva com o rapper GeeGun durante festa 'quase nua' na boate Mutabor, em Moscou.  Foto: Ostorozhno Novosti via Reuters

“Parem de pisar nos nossos corações”

Alguns conservadores proeminentes foram mais longe, alegando, sem oferecer provas, que a festa era um ritual satânico porque ocorreu, segundo os seus cálculos, no 666º dia da guerra na Ucrânia.

Publicidade

“Parem de pisar nos nossos corações com os seus cascos”, disse Vadim Tsyganov, um produtor musical, em um vídeo no qual apareceu com a sua mulher, Viktoria Tsyganova, uma proeminente cantora pop russa conhecida pelo seu ativismo religioso e ultranacionalista.

À medida que a indignação conservadora se acumulava, a polícia invadiu a Mutabor no dia 21 de dezembro. Pouco depois da festa, algumas celebridades participantes disseram que perderam patrocínios, tiveram apresentações canceladas e até foram cortadas na edição de programas de televisão festivos pré-gravados.

Foto da festa que reuniu celebridades russas na boate Mutabor.  Foto: Ostorozhno Novosti via Reuters

Quinze dias na prisão

Uma proeminente ativista conservadora russa, Ekaterina Mizulina, afirmou que as autoridades fiscais do país tinham aberto uma auditoria e os meios de comunicação locais relataram que outro grupo de ativistas havia processado Anastasia Ivleyeva em milhões de dólares. Por meio de um porta-voz, Ivleyeva se recusou a comentar.

A maior punição até agora recaiu sobre um rapper de 25 anos, Nikolai Vasilyev, que se apresenta como Vacío. Ele foi condenado a 15 dias de prisão sob a nova lei anti-gay do país por ter comparecido à festa usando apenas uma meia nos genitais.

PUBLICIDADE

Aleksandr Baunov, especialista em política russa do Carnegie Russia Eurasia Center, em Berlim, disse que a repressão sublinha as contradições na visão do país do presidente Vladimir Putin durante a guerra.

Putin tentou mobilizar a sociedade russa para o que apresenta como um conflito existencial e prolongado contra o Ocidente na Ucrânia. Mas ele também tentou manter um senso de normalidade, especialmente nas cidades mais ricas, e permitiu que as elites russas continuassem em grande parte com as suas vidas, desde que não questionassem a guerra.

“Esta festa expôs esses padrões duplos”, disse Baunov. “Deu a impressão de que existe um conjunto de regras para os cidadãos comuns e outro para as elites.”

Publicidade

Frame de vídeo de desculpas publicado por Anastasia Ivleyeva em 27 de dezembro.  Foto: Telegram channel of Nastya Ivleeva via Reuters

“Dizem que a Rússia pode perdoar”

O escândalo que se seguiu proporcionou uma vitória clara aos ultraconservadores do país, que há muito apelam que os russos se envolvam mais no esforço de guerra. A natureza coordenada da repressão aponta para a aprovação direta de Putin, disse Baunov, e reflete a crescente influência dos ultraconservadores sobre o presidente.

Desde que invadiu a Ucrânia, Putin também ampliou os seus apelos ao que chama de “valores tradicionais”, ao procurar convencer o mundo de uma visão ideológica alternativa do Ocidente. A invasão foi acompanhada por uma repressão aos direitos dos homossexuais e por apelos crescentes a restrições ao aborto, embora Putin tenha rejeitado publicamente os limites aos direitos reprodutivos das mulheres.

Pelo menos seis participantes da festa publicaram desculpas públicas desde então, que vão desde apelos chorosos por perdão até desculpas improváveis.

“Na vida de cada pessoa chega um momento em que ela passa por uma porta errada”, disse um dos cantores pop mais proeminentes da Rússia, Philipp Kirkorov, que compareceu à festa vestindo um macacão transparente e brilhante e cuecas.

Depois de defender inicialmente seu evento, Anastasia Ivleyeva, 32 anos, fez dois pedidos públicos de desculpas em vídeos postados nas redes sociais.

“Dizem que a Rússia pode perdoar”, disse ela em seu segundo vídeo, de 21 minutos. “Se isso for verdade, gostaria muito de pedir uma segunda chance de vocês, do povo russo.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.