PUBLICIDADE

Sem acesso à ajuda humanitária, fome extrema no norte de Gaza é iminente, diz a ONU

Organizações afirmam que fome extrema generalizada é “quase inevitável” na região e que forças israelenses bloqueiam “sistematicamente” o acesso da ajuda humanitária à Faixa de Gaza

Foto do author Redação
Por Redação

O Programa Mundial de Alimentos (PMA), da ONU, alertou nesta terça-feira, 27, que a fome extrema “é iminente” no norte de Gaza, sem acesso à ajuda humanitária e onde continua a guerra entre Israel e o grupo terrorista Hamas.

PUBLICIDADE

“Se nada muda, a fome extrema é iminente no norte de Gaza”, disse Carl Skau, diretor-executivo adjunto do PMA, ao Conselho de Segurança da ONU.

Ramesh Rajasingham, do Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) da ONU, também advertiu que era “quase inevitável” uma fome extrema generalizada na região, onde nenhuma organização humanitária tem sido capaz de levar ajuda desde 23 de janeiro.

Tendas de palestinos deslocados internamente no campo de refugiados de Rafah, na Faixa de Gaza, em 16 de fevereiro de 2024.  Foto: HAITHAM IMAD / EFE

“Aqui estamos, no fim de fevereiro, com ao menos 576.000 pessoas em Gaza - um quarto de sua população - a um passo da fome extrema, com uma a cada seis crianças menores de dois anos sofrendo de desnutrição e emaciação” (magreza extrema), disse Rajasingham.

Cerca de 97% da água em Gaza foi reportada como “não apta para o consumo humano” e a produção agrícola está começando a colapsar, advertiu, por sua vez, Maurizio Martina, diretor-geral adjunto da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).

A ajuda está esperando na fronteira, disse, nesta terça-feira, Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU António Guterres.

“Os colegas do PMA também nos dizem que têm suprimentos de alimentos na fronteira com Gaza, e que em certas condições poderiam alimentar mais de 2,2 milhões de pessoas” na Faixa, disse Dujarric aos jornalistas.

Publicidade

“Quase mil caminhões com 15.000 toneladas métricas de comida estão no Egito prontos para se mover”, acrescentou.

Palestinos fugindo do norte caminham pela estrada Salaheddine no distrito de Zeitoun, na periferia sul da Cidade de Gaza, em 28 de novembro de 2023. Foto: MAHMUD HAMS / AFP

No entanto, Jens Laerke, porta-voz da OCHA, disse mais cedo, em Genebra, na Suíça, que forças israelenses bloqueiam “sistematicamente” o acesso a Gaza.

“Não é Israel que bloqueia esses caminhões”, respondeu o embaixador adjunto israelense Jonathan Miller ao Conselho de Segurança, responsabilizando a ONU e sua incapacidade de organizar a ajuda “de forma eficaz”.

“Não há absolutamente nenhum limite ao volume de ajuda humanitária que pode ser levada à população civil de Gaza”, disse, ressaltando que Israel negou 16% dos pedidos de entrega de ajuda desde o começo de 2024, pelo “risco” de que certos bens “acabem nas mãos” do Hamas.

A principal agência de ajuda da ONU em Gaza, UNRWA, está “em um ponto de inflexão”, disse seu diretor na semana passada. “Todos devemos redobrar os esforços e estar à altura das nossas responsabilidades”, afirmou Skau.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.