PUBLICIDADE

‘Trato minha cachorra como se fosse parte de minha família, ela pode me deixar doente?’

Por mais que amemos nossos bichinhos, eles podem ser responsáveis por transmitir algumas doença para nós, seres humanos, às vezes fatais; atenção e cuidados são necessários

Por Melinda Wenner Moyer

THE NEW YORK TIMES - LIFE/STYLE - Os cães podem enriquecer nossa vida de várias maneiras. Eles podem aliviar a ansiedade, reduzir a solidão, tornar-nos mais ativos fisicamente e, potencialmente, até mesmo reduzir o risco de doenças cardiovasculares, prolongando nossa vida, segundo algumas pesquisas.

Mas sim. Eles também podem nos deixar doentes.

Na imagem, cães de um centro de resgate em Londres. Foto: Kirsty Wigglesworth/AP

PUBLICIDADE

“Os germes dos cães podem causar uma variedade de doenças, desde pequenas infecções de pele até doenças graves”, disse o Dr. Casey Barton Behravesh, veterinário do Centro de Controle e Prevenção de Doenças. Muitas pessoas são infectadas depois de ingerir acidentalmente - sim, ingerir - fezes de cães, mas as infecções também podem ser transmitidas por meio de mordidas de cães, arranhões e até mesmo lambidas no rosto.

A boa notícia é que os amantes de cães podem tomar medidas simples para reduzir bastante o risco de serem infectados por seus melhores amigos peludos.

Doenças caninas

Não há poucos germes que os cães podem transmitir às pessoas. Eles incluem bactérias como salmonela, E. coli e campylobacter, que podem causar problemas gastrointestinais; parasitas como giárdia, cryptosporidium, ancilostomíase e lombriga, que também podem causar problemas abdominais, como diarreia e dor de estômago; e fungos que podem levar a infecções como a micose, que pode causar coceira e erupções cutâneas.

É difícil avaliar quantas dessas infecções são transmitidas pelos cães a cada ano. Isso ocorre porque é difícil rastrear doenças até animais específicos e coletar esse tipo de dados, disse o Dr. Jason Stull, professor assistente da Ohio State University College of Veterinary Medicine.

Por meio de mordidas, os cães também podem transmitir germes que causam doenças graves, como a raiva, um vírus que ataca o sistema nervoso, e a capnocytophaga, uma bactéria que pode causar doenças graves, inclusive sepse. Ambas as doenças podem ser fatais, mas, felizmente, são bastante raras, com a raiva causando apenas uma a três infecções humanas relatadas por ano nos Estados Unidos (em 2022 foram confirmados cinco casos de raiva humana no Brasil) e a capnocytophaga infectando cerca de 150 a 250 pessoas (não há dados específicos sobre infecções no Brasil).

Publicidade

Algumas pessoas têm maior probabilidade de adoecer por causa de cães do que outras, inclusive grávidas, imunossuprimidos, pessoas com mais de 65 anos ou menos de 5 anos, disse o Dr. Stull.

Filhotes com menos de 6 meses de idade são os maiores culpados pela disseminação de germes causadores de doenças, acrescentou ele, em parte porque seus sistemas imunológicos não estão totalmente desenvolvidos.

Mantendo-se seguro

Se você tem um cão, pode reduzir o risco de doenças certificando-se de que ele esteja totalmente vacinado e que receba cuidados regulares de um veterinário, disse o Dr. Dennis Horter, veterinário e diretor de operações da CityVet em Dallas.

Os veterinários também podem prescrever medicamentos que reduzem a chance de seu cão abrigar parasitas, bem como carrapatos e pulgas, que podem ser transferidos de cães para pessoas e causar doenças, acrescentou a Dra. Rebecca Greenstein, veterinária do Kleinburg Veterinary Hospital em Ontário. Sempre consulte seu veterinário imediatamente se seu cão tiver diarreia, acrescentou ela.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

“Manter seu cão saudável ajuda a manter você e sua família saudáveis”, disse o Dr. Barton Behravesh. Isso é especialmente importante se você ou qualquer outra pessoa em sua casa tiver alto risco de desenvolver doenças.

Especialistas alertam contra a alimentação de cães com carne crua, pois ela pode estar contaminada com bactérias que podem se espalhar para as pessoas. As pesquisas sugerem que não há benefícios claros da dieta para animais de estimação, e os estudos “apenas ressaltam os riscos”, disse o Dr. Greenstein, que incluem a disseminação de salmonela, E. coli e campylobacter.

Lave as mãos depois de acariciar ou cuidar de seu cão, disse o Dr. Barton Behravesh. E evite beijá-lo em qualquer lugar - sim, isso pode ser difícil para alguns amantes de cães - ou deixá-lo lamber seu rosto ou qualquer arranhão ou ferida aberta, aconselhou o Dr. Stull. Algumas pessoas presumem que a boca de seus cães está limpa. “Não são”, disse ele. “É muito fácil que organismos infecciosos - bactérias, etc. - passem da saliva do animal para nossos corpos.”

Publicidade

Se você for mordido, disse ele, limpe o ferimento com água e sabão e entre em contato com um médico.

Limpe também a sujeira do seu cachorro. “Não posso me esquecer de enfatizar isso o suficiente: recolha o cocô do seu cão”, disse o Dr. Greenstein. “A contaminação fecal de parques gramados, caixas de areia, pátios de escolas e assim por diante pode representar um sério risco à saúde, especialmente para crianças e pessoas com sistemas imunológicos enfraquecidos.”

Mas, novamente, não se esqueça de lavar as mãos depois, disse o Dr. Stull - porque muitas pessoas não o fazem. “Saímos, recolhemos o cocô do chão, jogamos no lixo e não lavamos as mãos”, disse ele. “Depois, vamos almoçar”.

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.