Biden revoga decreto de bloqueio do TikTok nos EUA

Administração democrata tem revertido ações de Donald Trump contra redes sociais chinesas como TikTok e WeChat

PUBLICIDADE

Por Redação Link
Atualização:
Em seu governo, Trump trabalhou ativamente para que novos usuários baixassem os aplicativos chineses nos Estados Unidos Foto: Dado Ruvic/Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, revogou nesta quarta-feira, 9, decretos governamentais contra os aplicativos chineses WeChat e TikTok, disse a Casa Branca. Segundo o órgão, o governo está pedindo uma nova revisão do Departamento de Comércio sobre questões de segurança de app e soma as plataformas de mídias sociais a outras empresas que estavam na mira do ex-presidente Donald Trump

PUBLICIDADE

Em seu governo, Trump trabalhou ativamente para que novos usuários baixassem os aplicativos chineses nos Estados Unidos, além de interferir em uma série de sanções para bloquear o uso das plataformas em território americano. O ex-presidente afirmou, em várias ocasiões, que os apps não eram bem-vindos nos EUA e chegou a sugerir o banimento das empresas chinesas, proibindo o uso dos apps pelos americanos

Esses decretos, porém, foram negados pelos tribunais americanos, de forma que nunca entraram em vigor no país. A preocupação do governo de Trump era que empresas, como a ByteDance, dona do TikTok, pudessem ter acesso a informações sobre cidadãos americanos e, eventualmente, sobre membros do Congresso.  

Em julho de 2020, quando Trump ameaçou banir o TikTok dos EUA, um grande movimento começou a se formar para que a empresa tivesse seus direitos comprados e funcionasse sem conexão com a China. Microsoft, Oracle e a rede de Supermercados Walmart estavam entre os possíveis compradores da plataforma, mas o negócio foi paralisado com a subida de Biden à presidência. 

Agora, a nova ordem executiva de Biden revoga os decretos sobre o WeChat e o TikTok, junto com um outro decreto, de janeiro deste ano, que mirava outros oito apps de comunicação e tecnologia financeira.

Uma análise sobre eventual risco à segurança nacional envolvendo o TikTok, porém, continua em andamento nos EUA, afirmou um funcionário da Casa Branca./COM REUTERS 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.