TSMC: conheça a fabricante de chips para iPhone que hoje está no centro da nova Guerra Fria

Fundador da Taiwan Semiconductor Manufacturing Company, Morris Chang sai das sombras como o magnata do mundo da tecnologia

PUBLICIDADE

Por Paul Mozur e John Liu
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Em um escritório com painéis de madeira com vista para Taipé e para as montanhas cobertas de selva que cercam a capital taiwanesa, Morris Chang retirou recentemente um livro antigo estampado com padrões tecnicolor.

O título era “Introduction to VLSI Systems” (Introdução aos sistemas VLSI, em tradução livre), um livro didático de pós-graduação que descreve os meandros do design de chips de computador. Chang, 92, segurou-o com reverência.

PUBLICIDADE

“Quero lhe mostrar a data deste livro, 1980″, disse ele. O momento foi importante, acrescentou, pois foi “a peça mais antiga” de um quebra-cabeça que se encaixou para ele, alterando não apenas sua carreira, mas também o curso do setor eletrônico global.

O insight que Chang obteve do livro didático foi aparentemente simples: a ideia de que os microchips, que funcionam como o cérebro dos computadores, poderiam ser projetados em um lugar e fabricados em outro. Essa noção contrariava a prática padrão do setor de semicondutores na época.

Assim, aos 54 anos de idade, quando muitas pessoas começam a pensar mais em aposentadoria, Chang, em vez disso, se colocou em um caminho para transformar sua percepção em realidade. O engenheiro deixou seu país de adoção, os Estados Unidos, e mudou-se para Taiwan, onde fundou a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company, ou TSMC. A empresa não projeta chips, mas se tornou a maior fabricante do mundo de microprocessadores de última geração para clientes como Apple e Nvidia.

Hoje, a empresa é um rolo compressor de US$ 500 bilhões que colocou os chips mais avançados no iPhone, carros, supercomputadores e jatos de combate. Suas fábricas de chips do tamanho de um hangar de avião, chamadas fabs, são tão importantes que os Estados Unidos, o Japão e a Europa cortejaram a TSMC para construí-las em suas regiões. Na última década, a China também investiu centenas de bilhões de dólares para recriar o que a TSMC fez.

Morris Chang é o fundador da empresa taiwanesa de chips, a TSMC Foto: Lam Yik Fei/The New York Times - 27/6/2023

A improvável jornada empreendedora de Chang ajudou Taiwan a se tornar um gigante econômico, reestruturou a forma como o setor de eletrônicos funcionava e, por fim, traçou uma nova realidade geopolítica na qual um elemento fundamental para o crescimento econômico global está em um dos pontos mais voláteis do mundo.

Publicidade

Isso colocou Chang e a TSMC sob os holofotes. E no final de sua carreira, um homem que preferia permanecer nas sombras refletiu sobre o que construiu e o que significa não poder mais ficar fora do radar.

“Isso não me faz sentir particularmente bem”, disse Chang, que se aposentou em 2018, mas ainda aparece nos eventos da TSMC. “Prefiro permanecer relativamente desconhecido”.

Em uma recente conversa de três horas em seu escritório, o Sr. Chang deixou claro que se identifica como americano (ele obteve sua cidadania americana em 1962) em um momento em que a empresa que ele fundou está no centro de uma Guerra Fria tecnológica entre os Estados Unidos e a China. Mesmo com a intensificação da rivalidade pela liderança tecnológica, ele não dá muita chance à China de conquistar a supremacia dos semicondutores.

“Nós controlamos todos os pontos de estrangulamento”, disse Chang, referindo-se coletivamente aos Estados Unidos e seus aliados fabricantes de chips, como Holanda, Japão, Coreia do Sul e Taiwan. “A China não pode realmente fazer nada se quisermos estrangulá-los.”

Chang é provavelmente a única pessoa remanescente no setor de chips que estava presente na criação do próprio setor

Chris Miller, autor do livro 'Chip War'

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Mais de uma dúzia de pessoas familiarizadas com Chang, muitas das quais o conheciam como colega na TSMC, disseram que ele construiu a empresa (e superou gigantes como a Samsung e a Intel) sendo meticuloso, teimoso, confiando em seus melhores funcionários e, crucialmente, tendo uma ambição sem limites e fazendo movimentos ousados quando justificado. Quando a TSMC passou por dificuldades após a crise financeira de 2008, ele retornou como executivo-chefe aos 77 anos para assumir o controle novamente.

“Ele é provavelmente a única pessoa remanescente no setor de chips que estava presente na criação do próprio setor”, disse Chris Miller, autor do livro “Chip War” e professor associado de história internacional na Fletcher School da Tufts University. “O fato de ele não apenas continuar no setor, mas estar no centro e no topo dele, é extraordinário.”

Para entender o futuro do setor de tecnologia, é fundamental entender o mundo pelos olhos do Sr. Chang e como ele fez aquela aposta inicial quando outros não fizeram. E, ao contrário dos magnatas da tecnologia de hoje (como Elon Musk e Mark Zuckerberg, que consideraram publicamente uma luta em uma jaula), Chang demonstrou mais moderação.

Publicidade

Se a concorrência entre os gigantes globais da tecnologia é uma série de jogos de pôquer de alto risco, ele é o homem tranquilo que dirige o cassino.

Foto aérea da fábrica da TSMC em Nnjing, na China Foto: AFP - 10/8/2022

Quase um fabricante de automóveis

Morris Chang nasceu em 1931 em uma China à beira da guerra. Antes dos 18 anos, ele morou em seis cidades, mudou de escola 10 vezes, passou por bombardeios em Guangzhou e Chongqing e cruzou a linha de frente quando sua família fugiu da Xangai ocupada pelos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial.

Quando ele chegou a Hong Kong em 1948 com sua família, que na época estava tentando fugir do avanço do exército do Partido Comunista Chinês, não havia como voltar atrás.

“Meu antigo mundo desmoronou quando o continente mudou de cor, e um novo mundo ainda estava para ser estabelecido”, escreveu ele em sua autobiografia, publicada em 1998.

Em 1949, Chang se mudou para os Estados Unidos, estudou em Harvard antes de se transferir para o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) para estudar engenharia mecânica. Em 1955, quando foi reprovado duas vezes em um exame de qualificação para um doutorado no MIT, decidiu testar o mercado de trabalho.

“Muitos anos depois, considerei o fato de não ter sido admitido no programa de doutorado do Massachusetts Institute of Technology como o maior golpe de sorte da minha vida!”, escreveu em sua autobiografia.

Duas das melhores ofertas vieram da Ford Motor Company e da Sylvania, uma empresa de eletrônicos menos conhecida. A Ford ofereceu ao Sr. Chang US$ 479 por mês para um emprego em seu centro de pesquisa e desenvolvimento em Detroit. Embora encantado pelos recrutadores da empresa, o Sr. Chang ficou surpreso ao descobrir que a oferta era US$ 1 a menos do que os US$ 480 mensais oferecidos pela Sylvania.

Publicidade

Quando ele ligou para a Ford para pedir uma oferta equivalente, o recrutador, que até então havia sido gentil, tornou-se hostil e disse que ele não receberia um centavo a mais. Chang aceitou o emprego de engenheiro na Sylvania. Lá, ele aprendeu sobre transistores, o componente mais básico do microchip.

“Esse foi o início de minha carreira na área de semicondutores”, disse ele. “Em retrospecto, foi uma coisa muito boa.”

Morris Chang nasceu na China, morou nos Estados Unidos e depois mudou-se para Taiwan para criar a TSMC Foto: AFP Photo/Taiwan Semiconductor Manufacturing Company Limited (TSMC) - 28/7/2023

Três anos na Sylvania abriram portas e consolidaram a paixão do Sr. Chang por semicondutores. Mas a Sylvania enfrentou dificuldades, o que lhe ensinou uma lição que o ajudaria a administrar a TSMC mais tarde.

“Desde o início, o setor de semicondutores tem sido um setor de ritmo acelerado e implacável”, escreveu Chang sobre o eventual colapso da Sylvania em sua autobiografia. “Quando você fica para trás, recuperar o atraso se torna consideravelmente difícil.”

Em 1958, ele foi para uma nova e badalada empresa de semicondutores, a Texas Instruments. A empresa de Dallas era “jovem e cheia de energia”, com muitos funcionários trabalhando mais de 50 horas por semana e dormindo durante a noite no escritório. Quatro anos depois, Chang se tornou americano, uma identidade que ele considera fundamental.

“Desde que fugi da China comunista e fui para os Estados Unidos e me naturalizei em 1962, minha identidade sempre foi americana, e nada mais”, disse ele.

Chang tornou-se um pilar do negócio de semicondutores da Texas Instruments, que na época era líder mundial. As descobertas eram constantes. Na década de 1970, a empresa produziu um chip que podia sintetizar a voz humana, o que levou ao famoso brinquedo Speak & Spell, um dispositivo portátil que ajudava as crianças a soletrar e pronunciar.

Publicidade

“É como se fosse Camelot, mas não foi um longo período de tempo”, disse ele.

No final da década de 1970, a Texas Instruments voltou seu foco para o crescente mercado de calculadoras, relógios digitais e computadores domésticos. O Sr. Chang, então responsável pela área de semicondutores, percebeu que sua carreira ali estava chegando a um “beco sem saída”.

Era hora de fazer algo diferente.

Microprocessadores são o 'cérebro' de dispositivos eletrônicos Foto: Yuriko Nakao/Reuters

Juntando as peças do quebra-cabeça

Se a primeira peça do quebra-cabeça que levou à criação da TSMC foi o livro didático, a segunda foi uma experiência que Chang teve no final de seu tempo na Texas Instruments.

No início dos anos 80, a Texas Instruments abriu uma fábrica de chips no Japão. Três meses depois que a linha de produção começou a produzir chips, o “rendimento” da fábrica era o dobro das fábricas da empresa no Texas. O rendimento é uma estatística importante que se refere ao número de chips utilizáveis que saem da produção.

Chang foi enviado ao Japão para resolver o mistério do rendimento. Ele descobriu que a chave era a equipe, com uma rotatividade surpreendentemente baixa entre funcionários bem qualificados.

Mas, por mais que tentasse, a Texas Instruments não conseguia encontrar o mesmo calibre de técnicos nos Estados Unidos. Em uma fábrica dos EUA, o principal candidato a um cargo de supervisor era formado em literatura francesa e não tinha formação em engenharia. O futuro da manufatura avançada parecia estar na Ásia.

Publicidade

Em 1984, Chang ingressou na General Instrument, outra empresa de chips, onde uma terceira peça do quebra-cabeça se encaixou. Ele conheceu um empresário que, mais tarde, fundou uma empresa que apenas projetava chips sem também fabricá-los, o que era incomum na época. Ele percebeu uma tendência que se provaria duradoura: atualmente, a maioria das empresas de semicondutores projeta chips e terceiriza a fabricação.

Essa peça final coincidiu com a transição de Taiwan de uma economia de mão de obra intensiva e de indústria pesada para uma economia de alta tecnologia. Quando as autoridades taiwanesas se voltaram para o desenvolvimento do setor de semicondutores, pediram a Chang, cuja reputação como especialista em chips já estava estabelecida, que liderasse um instituto para impulsionar a inovação.

Assim, em 1985, Morris Chang, então com 54 anos, deixou os Estados Unidos e foi para um lugar que ele conhecia apenas por várias visitas a uma fábrica da Texas Instruments.

“Eu certamente não tinha planos de passar quase tanto tempo em Taiwan”, disse ele. “Pensei que voltaria em alguns anos e realmente não tinha planos de montar a TSMC ou de montar qualquer empresa em Taiwan.”

Não tinha planos de passar quase tanto tempo em Taiwan

Morris Chang, fundador da TSMC

Poucas semanas após a chegada de Chang, Li Kwoh-ting, um funcionário do governo que ficou conhecido como o padrinho do desenvolvimento tecnológico de Taiwan, pediu-lhe que tornasse o projeto estatal de chips comercialmente viável.

Quando Chang avaliou os pontos fortes e fracos de Taiwan, ele percebeu uma oportunidade. “Concluí que Taiwan era muito mais semelhante ao Japão do que aos EUA”, disse ele, referindo-se à sua experiência com a fábrica da Texas Instruments no Japão.

Em 1987, Chang fundou a TSMC. O modelo de negócios estava claro em sua cabeça: a TSMC fabricaria chips para outras empresas e não os projetaria. Isso significava que ela só precisava conquistar as pessoas do setor e, em seguida, concentrar-se no que fazia de melhor: a fabricação.

Publicidade

Desde o início, o Sr. Chang tinha planos para que a TSMC entrasse em um mercado global. Ele introduziu na empresa sistemas de gerenciamento profissional, que não eram comuns em Taiwan. Para promover um ambiente internacional, as comunicações internas eram feitas em inglês.

Fabricação de chips envolve centenas de etapas que utilizam lasers avançados e manipulações químicas para criar caminhos minúsculos para sinais eletrônicos que fazem os cálculos mais básicos de um computador Foto: Washington Alves/Estadão - 27/10/2017

Sua visão se mostrou profética. À medida que a produção de semicondutores se tornava mais complexa e cara, apenas algumas empresas podiam se dar ao luxo de tentar. A fabricação de chips envolve centenas de etapas que utilizam lasers avançados e manipulações químicas para criar caminhos minúsculos para sinais eletrônicos que fazem os cálculos mais básicos de um computador. Os custos eram astronômicos.

Ao longo dos anos, o Sr. Chang continuou trabalhando enquanto outros desistiam. Se a TSMC conseguisse atrair clientes suficientes, aproveitando as economias de escala, ela teria a chance de derrotar os reis: Intel e Samsung.

Em 1997, o Sr. Chang recrutou um novo chefe de pesquisa e desenvolvimento, Chiang Shang-yi. Ele disse a Chiang para comparar a TSMC com a líder do setor, a Intel.

“Nossa meta é ser a número 1, sem exceção”, disse Chang.

Chiang ficou surpreso. “Para ser o número 1, você precisa gastar três vezes mais do que seu próximo concorrente”, respondeu ele, dando a entender que estar na liderança seria uma meta muito elevada e cara.

“Pode ser três vezes mais, mas quero gastar o suficiente para que nos tornemos o número 1″, disse Chang. E ele estava preparado para ser paciente, mesmo depois de deixar o cargo de executivo-chefe da TSMC em 2005 e permanecer como presidente da empresa.

Publicidade

FILE PHOTO: The Apple iPhone 14 is seen at the Apple Fifth Avenue store in Manhattan, New York City, U.S., September 16, 2022. REUTERS/Andrew Kelly/File Photo Foto: Andrew Kelly/File Photo/Reuters

Encerramento do contrato com a Apple

Em abril de 2009, funcionários furiosos da TSMC (muitos dos quais haviam sido demitidos recentemente pela empresa) montaram um acampamento de protesto em um playground arborizado no tranquilo bairro residencial de Dazhi, em Taipei. Eles estavam na mesma rua do prédio de apartamentos de luxo de Chang.

Ao anoitecer, os manifestantes estenderam sacos de dormir ao lado de um escorregador e de um parque infantil, cobrindo-se com um grande cartaz que dizia: “A TSMC mente, mente, mente”. Ao longo de sua história de mais de duas décadas, a TSMC nunca havia demitido funcionários. No entanto, após a crise financeira de 2008, o sucessor do Chang, Rick Tsai, começou a demitir funcionários.


Morris Chang, então com 77 anos, decidiu que não poderia mais ficar de fora. Ele retomou seu cargo, recontratou os talentos que Tsai havia dispensado e mais do que dobrou os gastos da TSMC.

Em um momento difícil para o setor, a medida não foi apreciada pelos investidores. Elizabeth Sun, ex-diretora de relações com investidores da TSMC, relembrou sua reação à notícia: “Quando soube, tive vontade de bater a cabeça contra a parede”.

Mas a aposta valeu a pena. Em 2010, Chang recebeu a ligação que turbinaria o crescimento da TSMC e garantiria sua liderança sobre a Samsung e a Intel. Jeff Williams, vice-presidente sênior da Apple, entrou em contato com a esposa do Chang, Sophie Chang, que é parente de Terry Gou, fundador da Foxconn, a maior montadora da Apple.

A ligação levou a um jantar de domingo com os quatro, que se transformou em negociações no dia seguinte. A Apple havia trabalhado com a Samsung para produzir o microchip que ela projetou para o iPhone, mas estava procurando um novo parceiro, em parte porque a Samsung havia se tornado uma grande concorrente dos smartphones. A TSMC, que não compete com seus clientes, estava na pole position para o contrato.

As discussões se estenderam por meses. “Foi muito complicado - o contrato em si”, disse Chang. “Foi a primeira vez que nos deparamos com esse tipo de coisa.”

Publicidade

Tim Cook é o presidente executivo da Apple desde 2011 e, hoje, a TSMC é a principal fabricante dos chips do iPhone Foto: Jeff Chiu/AP - 05/06/2023

Em um determinado momento, a Apple anunciou uma pausa de dois meses nas negociações. Chang ouviu que a Intel poderia ter intervindo.

Preocupado, Chang viajou para São Francisco para se encontrar com Tim Cook, executivo-chefe da Apple, que o tranquilizou. Em uma entrevista em 2013, Paul Otellini, então CEO da Intel, disse que havia recusado a chance de fabricar os chips para o iPhone porque a Apple não pagaria o suficiente.

Chang não cometeria o mesmo erro. A Apple exigiu condições melhores e preços mais baixos do que os outros, mas ele entendeu que a escala do contrato ajudaria a TSMC a superar os concorrentes. Essa foi uma lição que ele aprendeu com Bill Bain, que fundou a empresa de consultoria Bain & Company, na época da Texas Instruments.

Bain, na época consultor do Boston Consulting Group (BCG), trabalhou em um escritório ao lado de Chang por quase dois anos. Ele analisou os números de produção e vendas da Texas Instruments e argumentou que quanto mais a empresa produzisse, melhor seria seu desempenho.

Quando o acordo com a Apple foi concluído, Chang tomou emprestado US$ 7 bilhões para desenvolver a capacidade de fabricar milhões de chips para o iPhone.

Nos anos seguintes, a Apple voltou a recorrer brevemente à Samsung para a produção de chips para o iPhone, mas a TSMC tornou-se sua principal fabricante de chips. Atualmente, a Apple é o maior cliente da TSMC, responsável por cerca de 20% da receita.

Chang levou o setor de semicondutores a novas fronteiras

Jeff Williams, vice-presidente sênior da Apple

Chang continua cauteloso com o que diz sobre os clientes da TSMC, mesmo agora. Depois de começar uma história sobre a Apple em seu escritório, ele se perguntou se havia falado demais.

“Acho que não ultrapassei os limites da Apple quanto ao que dizer a você”, disse ele.

Em um comunicado, Williams, agora diretor de operações da Apple, disse que Chang havia “levado o setor de semicondutores a novas fronteiras”.

Em 2018, Chang, aos 86 anos de idade, se aposentou novamente. Naquela época, a TSMC havia tido sucesso onde outros ficaram para trás, produzindo em massa chips com caminhos eletrônicos do tamanho de uma dupla hélice de DNA. Isso deu a Chang a confiança de que ele havia alcançado um princípio fundamental para a TSMC: liderança tecnológica.

Estimulando a revolução da I.A.

Entre os prêmios e as fotos com líderes mundiais que ocupam as paredes do escritório de Chang em Taipé, há uma história em quadrinhos emoldurada que retrata seu relacionamento próximo com Jensen Huang, fundador da empresa de chips Nvidia.

Se a Apple turbinou a TSMC, foi Chang quem ajudou a tornar a Nvidia a mais importante designer de chips de inteligência artificial do mundo. O desenho animado conta a história. Em meados da década de 1990, quando a Nvidia era uma empresa iniciante, Huang enviou uma carta a Chang perguntando se a TSMC poderia fabricar seus chips. Depois de uma ligação com Huang, Chang concordou.

“Gostei dele”, disse Chang sobre Huang.

Ao aproveitar essa chance, Chang ajudou a estimular a revolução da I.A. nos Estados Unidos. Com a fabricação da TSMC, a Nvidia tornou-se a mais importante projetista de chips de IA do mundo. Avanços como a IA generativa dependem de um grande número de chips da Nvidia para encontrar padrões em grandes quantidades de dados.

Em um discurso de 2018 na reunião de aposentadoria de Chang, Huang disse que a Nvidia (que agora vale US$ 1 trilhão) não existiria sem a TSMC. Uma inscrição no quadrinho, que Huang deu a Chang, diz: “Sua carreira é uma obra-prima - a Nona Sinfonia de Beethoven”.

Para Chang, as notas finais dessa obra-prima ainda não foram tocadas. Ele é saudável para um nonagenário, embora não possa mais fumar um cachimbo (que já foi sua marca registrada em fotos) depois de ter colocado stents no coração há alguns anos.

Em seu escritório, ele ainda mantém um terminal da Bloomberg. Ele também faz aparições públicas regulares em Taiwan para discutir a política global e a economia. Como muitos, ele se preocupa com um possível conflito entre os Estados Unidos e a China em relação a Taiwan, embora acredite que a chance de tal confronto seja baixa.

A chance de a China invadir Taiwan, fazer uma guerra anfíbia e todas essas coisas, acho que é uma probabilidade muito, muito baixa

Morris Chang, fundador da TSMC

“A chance de a China invadir Taiwan, fazer uma guerra anfíbia e todas essas coisas, acho que é uma probabilidade muito, muito baixa”, disse ele. “Um bloqueio de algum tipo, acho que ainda o considero pouco provável, mas ainda é uma chance e quero evitá-la.”

Chang disse que não estava preocupado com as políticas dos EUA que impediram o acesso das empresas chinesas à tecnologia de semicondutores de ponta.

“Acho que ainda está tudo bem”, disse ele, embora tenha observado que as empresas americanas perderiam negócios e que a China encontraria maneiras de revidar.

Ao final da conversa, o Sr. Chang disse que lamentava não poder estar no comando da TSMC enquanto esta enfrentava desafios geopolíticos. Mas ele disse que o momento de sua aposentadoria em 2018 fazia sentido, impulsionado pela tecnologia e não pela política.

“Eu estava literalmente certo de que havíamos alcançado a liderança tecnológica”, disse ele sobre aquela época. “Não acho que vamos perdê-la”. / TRADUÇÃO POR GUILHERME GUERRA

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.