FedEx faz parceria com Walmart e Pizza Hut para testar robôs de entrega

O foco da empresa de entregas FedEx é agilizar entregas rápidas com robôs autônomos; o projeto está aguardando autorização para começar os testes

PUBLICIDADE

Por Agências
Atualização:
O robô da FedEx usa câmeras e ajudas de software para detectar obstáculos no trajeto Foto: FedEx

A empresa de entregas FedEx planeja começar a testar este ano um robô para entregas rápidas de produtos – já há parceiros para o serviço, como a rede de supermercados Wall Mart e o restaurante Pizza Hut. A FedEx afirmou que o robô pode fazer parte de um serviço de entregas que a empresa opera em quase 2 mil cidades ao redor do mundo.

PUBLICIDADE

O foco da FedEx é agilizar entregas rápidas com robôs autônomos. Atualmente, mais de 60% dos consumidores dos Estados Unidos moram perto de estabelecimentos. Restaurantes costumam pagar serviços de entrega terceiros, como o Uber Eats, que cobram uma comissão de 10 a 30% do pedido. 

O projeto está aguardando autorização para começar a testar o robô na cidade de Memphis, nos Estados Unidos, onde fica a sede da FedEx. Por questão de segurança, muitos estados pedem que testes de veículos autônomos sejam feitos com supervisão humana, para que seja possível intervir em casos de urgência.

Para desenvolver o projeto, a FedEx recorreu à empresa de pesquisa Deka, cujo fundador Dean Kamen inventou o patinete Segway. 

De acordo com o protótipo, o robô parece um cooler com rodas. A máquina, que utiliza bateria, usa câmeras e ajudas de software para detectar obstáculos no trajeto. 

Transportadoras, varejistas e restaurantes estão experimentando robôs, drones e carros autônomos em uma tentativa de usar a automação para reduzir o alto custo de entrega de produtos aos clientes. A Amazon lançou em janeiro seu robô Scout, desenvolvido para ir sozinho até a casa do cliente realizar entregas. O dispositivo está sendo inicialmente usado no condado de Washington e é uma aposta de solução de logística da gigante varejista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.