11/9 dá pista sobre disseminação de epidemias de gripe

Cientistas encontraram a primeira evidência de que restringir as viagens de avião pode retardar a disseminação de uma epidemia de gripe - descoberta que poderá influenciar a resposta de governos à próxima pandemia.As viagens aéreas são suspeitas, há tempos, de desempenhar um papel na disseminação gradual da gripe pelo globo, a cada ano. Mas agora, pesquisadores de Boston finalmente conseguiram a prova: a queda no número de viagens aéreas após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 adiaram a temporada de gripe do inverno em duas semanas."Esta é a primeira vez em que um estudo consegue mostrar uma ligação direta entre o número de pessoas viajando e a taxa de disseminação de um vírus", disse John Brownstein, epidemiologista que encabelou a pesquisa. "Esses dados mostram um efeito impressionante", declarou Kenneth Mandl, co-autor do trabalho.Outros cientistas destacam que o estudo não prova que limitar viagens aéreas realmente pode ser útil no longo prazo: não houve uma diminuição no número de morte causadas pela gripe em 2001, só uma demora maior. A questão, portanto, passa a ser: qual a utilidade de um atraso de duas semanas na chegada da epidemia?"O que você ganha com isso? Essa é a verdadeira questão", disse o médico William Schaffner, da Universidade Vanderbilt, que assessora governo dos EUA em questões ligadas á gripe. As pessoas transmitem a gripe por meio da tosse, espirros e mãos contaminadas. Mas os cientistas ainda não entendem como um surto localizado se espalha, até que, a cada ano, a mesma cepa do vírus acaba atingindo o mundo inteiro. Além disso, em intervalos de décadas, uma nova versão mais perigosa da gripe causa uma epidemia mundial; uma compreensão mais completa desses padrões geográficos poderia ajudar a deter a próxima pandemia.Estudos anteriores sugerem que crianças pequenas levam a gripe para casa, e os parentes mais velhos disseminam a doença ao ir estudar e trabalhar em vez de ficar em casa até a doença passar.

Agencia Estado,

11 de setembro de 2006 | 21h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.