Acnur quer planejar volta de refugiados iraquianos

Órgão da ONU 'vai atuar' com governo local para permitir retorno de milhões de pessoas

Da BBC Brasil, BBC

16 de fevereiro de 2008 | 18h30

O Alto Comissário da ONU para refugiados, Antonio Guterres, disse neste sábado que está na hora de começar a articular o retorno voluntário de parte dos quatro milhões de iraquianos que deixaram suas casas desde o início da guerra, em 2003. Guterres se reuniu com membros do governo iraquiano para começar a estudar sob quais condições o retorno poderia ser feito. Estima-se que mais de dois milhões de pessoas tenham fugido do Iraque e outros dois milhões tenham migrado para outras regiões do país em busca de segurança. Em entrevista à BBC após o encontro com autoridades iraquianas, Guterres disse que vai aumentar o número de funcionários do Alto-Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) em Bagdá para, em conjunto com o governo iraquiano, avaliar as possibilidades de retorno dos refugiados."Para encorajar e promover o retorno, primeiro precisamos ter certeza de que há segurança e também se há condições para uma reintegração bem-sucedida com a sociedade", disse o comissário à BBC.De acordo com o correspondente da BBC em Bagdá Jim Muir, a situação da segurança no país melhorou consideravelmente nos últimos seis meses, mas ainda está longe de ser o ideal. Alguns refugiados que escolheram a Síria como destino têm começado a voltar para o Iraque, mas o retorno nem sempre é "bem-sucedido", afirma o correspondente.A Síria recebeu cerca de 1,5 milhão de refugiados iraquianos e a Jordânia, cerca de 1 milhão.Guterres disse que os dois países "estão pagando um grande preço social e econômico por receber tamanho fluxo migratório".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
iraquerefugiadosONUAcnurretorno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.