Alunos da Unicamp permanecem na reitoria

Cerca de 200 estudantes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) decidiram em assembleia, nesta segunda-feira, 07, manter a ocupação do prédio da reitoria, contra a presença da Polícia Militar no câmpus. Eles também propuseram a unificação de movimento com os alunos da Universidade de São Paulo (USP), acampados na reitoria da universidade, em São Paulo.

RICARDO BRANDT, Agência Estado

07 Outubro 2013 | 19h44

Os alunos da Unicamp invadiram o prédio na quinta-feira, 03, após a reitoria autorizar a entrada da PM na universidade como reação à morte do estudante de Mecatrônica Dênis Papa Casagrande, de 21 anos, durante uma briga em uma festa clandestina na câmpus. No dia 27, a reitoria autorizou o policiamento ostensivo da PM nos campi de Campinas, Piracicaba e Limeira. "O policiamento na USP, como já havia sido autorizado, provou que não houve queda de ocorrências dentro do câmpus", afirmou a estudante Diana Nascimento, de 23 anos, do Diretório Central Estudantil (DCE).

Com um carro de som emprestado do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU), também contrário ao policiamento, estudantes aprovaram o pedido de saída da PM do câmpus e a unificação da luta com o movimento da USP.

Na USP, os alunos estão acampados na reitoria há uma semana. Eles pedem, entre outras coisas, eleição direta para reitor e o fim do conselho universitário. "Precisamos unificar o movimento nas estaduais para ganharmos força. A mudança do estatuto das universidades, provenientes da ditadura militar, é o que unifica ambos os movimentos, além da luta contra a repressão", dizem os estudantes, em nota assinada pelo movimento Juventude às Ruas, responsáveis pela ocupação.

Mais conteúdo sobre:
Unicampreitoriaocupação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.