Anistia: Declaração Universal e atualidade divergem

As propostas da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) de 1948 e a realidade vivenciada pela população mundial hoje são divergentes. É o que concluiu o relatório anual da Anistia Internacional, que fez uma comparação entre o que foi prometido na DUDH e o que foi cumprido até agora. A entidade pediu que líderes mundiais se desculpem por seis décadas do que considera "fracasso" na defesa dos direitos humanos.Cada artigo da DUHU foi comentado. No artigo 1, que declara a igualdade e dignidade de todos os seres humanos, ressalta que quase 250 mulheres foram mortas por maridos ou por familiares violentos no Egito no primeiro semestre de 2007; em média, duas mulheres eram estupradas por hora. Sobre o artigo 3, que aponta o direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal, a Anistia informa que mais de mil pessoas foram executadas por seus Estados em 24 países em 2007; porém, 104 países votaram a favor de uma moratória mundial da pena de morte. Mais informações no site da Anistia Internacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.