Barrichello diz que tem prazer na F1, mas não vai implorar vaga

Após passar 19 anos na Fórmula 1, Rubens Barrichello chega ao Grande Prêmio do Brasil com a possibilidade de a corrida de domingo ser sua última na categoria. Ainda sem saber se estará no grid no ano que vem, o brasileiro disse que se sente motivado para continuar.

TATIANA RAMIL, REUTERS

24 de novembro de 2011 | 14h47

"Ainda tenho muito prazer em correr. Me sinto bem, não sinto que tenho que dizer 'por favor, me deixe pilotar'", disse ele em entrevista coletiva nesta quinta-feira no autódromo de Interlagos.

"Se alguém quer que eu pilote de uma maneira competitiva, é porque acreditam que eu posso fazer um bom trabalho, é por isso que estou aqui."

Barrichello não descarta a ideia de seguir na Williams em 2012 e afirmou que teve "muitas conversas com a equipe". Outras escuderias estariam em vista, porém restam poucas vagas abertas para o próximo ano, especialmente em equipes que não exigem que os pilotos levem patrocínio.

Essa é a segunda vez em três anos que o brasileiro chega a São Paulo correndo o risco de ficar sem lugar no grid. No final de 2008, quando estava na Honda, ele tinha poucas chances de permanecer na equipe, que estava em crise, e provavelmente seria substituído por Bruno Senna para a temporada seguinte. No entanto, a escuderia acabou mudando de comando e de nome, para Brawn GP, e ele seguiu na F1.

Senna, agora na Lotus Renault na vaga de Robert Kubica, que se lesionou, também tem o futuro incerto e busca um acordo para seguir na F1. "Estamos trabalhando duro para decidir o futuro o mais rápido possível", disse ele, ao lado de Barrichello durante a entrevista, na qual os dois conversaram bastante e sorriam enquanto outros pilotos falavam.

CONQUISTAR PONTOS

Barrichello, de 39 anos, iniciou sua carreira em 1993 e tem como melhor resultado os vice-campeonatos em 2002 e 2004, pela Ferrari. Ele tem 11 vitórias na categoria e é o piloto que mais disputou provas, com mais de 320 GPs.

Morador de Interlagos, o piloto admitiu que correr em casa é sempre especial e que tentará sua melhor colocação no ano no circuito paulista. Ele tem até agora apenas dois nonos lugares e disse que o objetivo é chegar na zona de pontuação (até o 10o lugar).

O brasileiro soma quatro pontos na temporada, e seu companheiro de Williams, o venezuelano Pastor Maldonado tem somente um ponto, em um ano terrível para a escuderia inglesa.

"Mesmo não tendo um carro competitivo, vou fazer de tudo para colocar o carro na zona de pontuação e ter a melhor colocação possível",declarou Barrichello.

"Conheço muito bem todos aqui, é sempre emocionante", acrescentou.

Mesmo quando tinha um carro que lutava por vitórias, Barrichello nunca chegou ao lugar mais alto do pódio em Interlagos - sua melhor colocação foi o terceiro lugar em 2004.

Tudo o que sabemos sobre:
F1VAGABARRICHELLO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.