Belarus busca culpados por ato de 'terrorismo' no metrô

A polícia de Belarus fez buscas nesta terça-feira em estradas, estações e aeroportos nesta terça-feira, depois que uma bomba explodiu em uma movimentada estação do metrô na capital Minsk na segunda-feira à noite, matando pelo menos 12 pessoas.

REUTERS

12 de abril de 2011 | 10h07

Enquanto a polícia procura os responsáveis pelo que parece ter sido uma bomba ativada por controle remoto, um alto funcionário da Procuradoria descreveu o ataque como um ato de "terrorismo" sem precedentes em Belarus.

O ex-Estado soviético de 10 milhões de habitantes é fortemente policiado e, embora a explosão se assemelhe a ataques ocorridos na Rússia, não há problemas com a insurgência islâmica nem um histórico de violência política.

O presidente Alexander Lukashenko, líder autocrático que governa Belarus desde 1994, disse que a explosão foi uma tentativa de desestabilizar o país.

"Esta é a primeira vez em que nos deparamos com uma manifestação de terrorismo como esta", disse Andrei Shved, vice-procurador-geral, segundo a agência de notícias Interfax. Mas ele não deu nenhuma indicação de quem poderia estar por trás do ataque.

O Ministério da Defesa afirmou que 204 pessoas estão hospitalizadas, 26 das quais em estado grave, após a explosão na hora do rush na estação de Oktyabrskaya, um dos pontos de baldeação mais movimentos de Minsk e próximo do quartel-general da presidência.

(Reportagem de Andrei Makhovsky)

Mais conteúdo sobre:
BELARUSBOMBABUSCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.