Benefício social chega às famílias mais pobres, diz secretária

Rosani Evangelista Cunha ressalta aumento na renda de famílias inseridas em programas, segundo mostra estudo

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

28 de março de 2008 | 13h58

A secretária nacional de Renda de Cidadania, Rosani Evangelista Cunha, disse que os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgados nesta sexta-feira, 28, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que os programas de transferência de renda do governo "estão chegando às famílias mais carentes e pobres". Conforme a pesquisa, o rendimento médio domiciliar per capita dos que recebiam benefícios de programas teve um aumento real maior (19,4%) em 2006, em relação a 2004, do que a renda dos que não receberam benefícios, que aumentou 16,9% no período.     Veja também:   Trabalho infantil vem caindo desde 1992 no País, diz IBGE Brasileiros ajudados pelo governo somam 10 milhões Freqüência escolar cresce e atinge 75,8% Rosani sublinhou que os dados do instituto se referem a 2006 e, desde então, houve aperfeiçoamentos no programa Bolsa Família, com saída de 1,5 milhão de famílias e entrada no programa de outras 1,5 milhão. "É um processo constante, o governo tem investido para que o programa possa chegar (às famílias) de maneira correta", afirmou.Segundo a Pnad, o rendimento médio mensal domiciliar per capita das famílias que recebiam dinheiro de programa do governo em 2006 era de R$ 172, enquanto a renda per capita dos que não recebiam era de R$ 699.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.