Bom preço da soja estimula venda

Além das altas cotações externas, produtores do Centro-Oeste, com dívidas, tentam se capitalizar para o plantio

Alexandre Inacio, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2007 | 02h31

Os produtores de soja do Centro-Oeste nunca venderam tanta soja antecipada como agora. Segundo a Agência Rural, cerca de 46% da safra 2007/2008 da região, que começa a ser plantada até o fim do mês, já está comprometida. No mesmo período de 2006, apenas 9% da soja da região foi vendida antecipadamente.A comercialização está mais adiantada em Mato Grosso. Os dados da Agência Rural apontam que 50% da safra foi vendida antecipadamente, ante 11% registrados no mesmo período de 2006. Em Goiás e no Distrito Federal, os agricultores já venderam 43% da soja a ser colhida no próximo ano, aumento significativo em relação aos 8% de 2006/2007. Mato Grosso do Sul já vendeu 37% da safra 2007/2008, ante 6% do ano passado, segundo a Agência Rural.NÚMEROS CONSERVADORESUm pouco mais conservadora, a consultoria Céleres estima que 32% da safra 2007/2008 do Centro-Oeste já tenha sido vendida. Pelas contas da Céleres, no mesmo período do ano passado o porcentual comprometido da safra era de 20%, um avanço de 12%.Segundo os analistas da Céleres, Mato Grosso já negociou 36%, ante 23% do ano passado, enquanto Goiás comprometeu 30% da safra de soja, ante 16% no mesmo período de 2006. Tanto o Distrito Federal quanto Mato Grosso do Sul já negociaram 24% da safra 2007/2008, porcentuais superiores aos 16% e 18% registrados em igual período do ano passado, respectivamente.MOTIVOSApesar das divergências quanto aos porcentuais, as consultorias concordam que a comercialização está avançada e apontam dois motivos. O primeiro refere-se aos bons preços internacionais. "Na mesma época do ano passado, o bushel de soja era negociado por US$ 5,80. Atualmente, as cotações estão em US$ 9,70", afirma o diretor da Céleres, Anderson Galvão.O segundo motivo é a necessidade de os produtores se capitalizarem para o plantio. Mais distantes dos portos e com um grau de endividamento superior ao dos produtores de outras regiões, os sojicultores do Centro-Oeste têm necessidade maior de captação. Como parte significativa da dívida foi prorrogada, o acesso ao crédito ficou mais restrito, forçando os agricultores a recorrerem às tradings.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.