Carro vai na contramão por 20 km, bate de frente e mata casal

Motorista na via errada da Raposo tinha sinais de embriaguez; criança de 12 anos fica órfã

Lais Cattassini, O Estadao de S.Paulo

09 de março de 2010 | 00h00

O técnico de manutenção de máquina Valdecir José Follmann, de 31 anos, dirigiu pela contramão na Rodovia Raposo Tavares por cerca de 20 quilômetros antes de colidir com um Gol na altura do km 22, às 4h de ontem. João Luiz Montanheiro, que dirigia o Gol, e sua mulher, Euclydinéia Pinto Assumpção Montanheiro, morreram no local. O casal voltava para Cotia após ter passado o dia no Hospital São Paulo com a filha, Suellem, de 12 anos. Após a batida, o carro deles pegou fogo. Suellem foi socorrida pela Polícia Militar Rodoviária com ferimentos leves e passa bem.

Segundo testemunhas, Follmann, apresentando sinais de embriaguez, dirigia um Clio e invadiu a pista sentido interior na altura do km 45, no pedágio de Vargem Grande. A Polícia Rodoviária foi informada de que alguém trafegava pela contramão e o policial Márcio Hideki cruzou com o carro na altura do km 36.

No km 28, Follmann quase se chocou com um Meriva. O motorista desviou, mas perdeu o controle e bateu no guardrail. O casal que estava no carro, Daniel Franquilin e Simone Neves, grávida, não se machucou.

Follmann continuou trafegando em linha reta até o km 22. Testemunhas disseram que o Gol da família Montanheiro estava atrás de um caminhão. O caminhão conseguiu desviar do Clio. No momento do impacto o carro começou a pegar fogo. O guincheiro Simeão Ribeiro Vieira, de 37 anos, também trafegava no sentido interior e chegou a desviar do carro de Follmann. "Ele estava muito rápido", afirmou

O policial rodoviário Márcio Hideki foi o primeiro a chegar ao local do acidente. "Tirei a menina do carro pelo para-brisas traseiro. Não tinha como resgatar o casal", disse o policial. Segundo ele, a menina estava consciente, mas em estado de choque. "Ela pedia para que eu salvasse os pais, mas a frente do carro já estava pegando fogo."

Follmann já estava fora do veículo quando a polícia chegou. Afirmou que estava na mão certa da rodovia. "Ele conversava, mas estava atordoado. Exalando odor de álcool", afirmou Hideki.

Follmann será indiciado por homicídio doloso, que tem a intenção de matar, e deverá responder ao processo em liberdade, afirmou o delegado Alexandre Palermo, do 2º Distrito Policial de Cotia. "É muito difícil ele continuar preso." O delegado disse que a acusação de homicídio doloso é feita em razão da quantidade de quilômetros rodados por Follmann. "Acontecem casos em que alguém erra a entrada e pega a rodovia na contramão, mas essas pessoas param. Ele não. Continuou a andar, em alta velocidade, por mais de 20 km. Ele expôs ao risco a vida de pessoas e, portanto, teve a intenção de matar."

Palermo diz ainda que houve negligência e imprudência. Quando ainda estava no hospital, Follmann disse ao delegado que não tomava remédios, mas admitiu ter bebido "um pouco." Ele afirmou ainda não se lembrar de ter entrado na Rodovia Raposo Tavares nem de ter desviado de outros veículos. "Ele disse só se lembrar da colisão e perguntou sobre o casal. Quando dissemos que tinham morrido ele ficou bastante abalado."

A polícia pediu exame químico e toxicológico para Follmann. Ele foi preso na cadeia de Cotia na noite de ontem e aguardará por uma vaga em um dos Centros de Detenção Provisória que atendem o município, em Osasco ou em Itapecerica da Serra.

Morador do Butantã, Follmann é natural de Joinville, Santa Catarina, e se mudou para São Paulo há poucos meses. De acordo com a polícia, ele não tem parentes na cidade. Ele foi levado ao Hospital Regional de Osasco, na Grande São Paulo, e, segundo a polícia, teve apenas uma fratura na mão e lesões leves no corpo em razão do cinto de segurança e do impacto do airbag em seu veículo. Para Palermo, Follmann tem problemas mentais. "Ele disse que não toma remédios. Mas eu acho que ele tem algum problema."

Segundo Clodoaldo Romano, primo de Euclydinéia, o casal e a filha moravam em Cotia e tinham vindo a São Paulo porque a menina não havia passado bem.

Os dois eram casados havia 15 anos. "Eles se davam muito bem e tinham acabado de comprar uma chácara em Cotia. O aniversário da minha prima seria agora no final de março e estavam preparando uma grande festa para ela", afirmou Clodoaldo.

Euclydinéia era motorista de uma van escolar e João Luiz era diretor de uma escola em Cotia. Segundo Clodoaldo, a menina está traumatizada. "Queremos que o responsável seja punido" pediu Clodoaldo.

OUTROS CASOS

Novembro de 2008: o pedreiro Valdeiro Gomes da Silva, de 31 anos, percorreu pelo menos 38 km da Anhanguera na contramão. Acabou batendo em uma carreta, no km 13, sentido interior, e morreu no hospital. Silva ainda passou por um pedágio, no km 26, e destruiu a cancela que visava a impedir que veículos passassem sem pagar tarifa.

Março de 2008: o motorista de ônibus José Antônio Ripardo, de 49 anos, trafegava na contramão em uma alça de acesso à Rodovia dos Bandeirantes quando atingiu um carro, matando as duas pessoas a bordo

Fevereiro de 2008: o bancário Kleber Rodrigo Plens, de 27 anos, morreu após bater de frente com uma carreta na

Rodovia Castelo Branco

Maio de 1996: o motorista de caminhão Evaristo Ferreira Lima foi preso por homicídio após trafegar na contramão e passar por cima de um Tempra, matando o motorista. Em outubro do ano seguinte, foi condenado a 6 anos de prisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.