Cartas

Cogumelo ataca plantas de floreira

O Estado de S.Paulo

17 Junho 2009 | 02h42

Moro em São Paulo, capital, e tenho floreiras nas janelas do apartamento. Numa delas plantei manjericão e hortelã. Mas surgiram cogumelos amarelos na terra. O que devo fazer? Se tiver de tirá-los, posso manter as demais plantas? Posso comer o manjericão e a hortelã que crescem nesse local?

Dânae Dal Bianco

dan@dalbianco.com.br

O engenheiro agrônomo Diego Cunha Zied, doutorando da Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp, em Botucatu (SP), diz que, pela fotografia da floreira, é provável que seja o cogumelo Lepiota lutea, cuja presença é bastante comum em substratos utilizados na produção de mudas e hortaliças. "Trata-se de um fungo decompositor de matéria orgânica", explica o agrônomo. Ele afirma que a hortelã e o manjericão podem ser consumidos com segurança, desde que todas as raízes sejam retiradas e que as folhas sejam muito bem lavadas. "Sugiro que o substrato ou terra misturada ao substrato sejam logo descartados, pois o cogumelo irá dominar todo este substrato na forma de micélio." Segundo Zied, a presença do cogumelo na floreira dificultará a irrigação das ervas, já que o substrato ficará impermeabilizado. "Toda a água utilizada para molhar as plantas escorrerá e não será absorvida pelas plantas." E-mail: dczied@fca.unesp.br. As herboristas Sabrina Jeha e Silvia Jeha destacam, ainda, que nunca se deve experimentar cogumelos que surgem na terra. "Pode haver casos de intoxicação, alucinação e até morte. O ideal é trocar a terra", afirmam.

Dicas para beneficiar noz macadâmia

Como conservar a cor natural da noz macadâmia após descascá-la? Pretendo comercializá-la descascada e levemente torrada e salgada. Poderiam fornecer a receita?

Issamu Higa

Abatiá (PR)

Conforme informações da Associação Brasileira de Noz Macadâmia (ABM), o primeiro passo é consultar a legislação brasileira, para informar-se melhor sobre o procedimento correto para processamento e comercialização de alimentos. Depois, o leitor precisa comprar uma unidade processadora. Para isso, levar em conta o volume da produção. Como a noz macadâmia é difícil de ser descascada, o processamento pós-colheita exige diversas máquinas. A empresa Pinhalense Máquinas Agrícolas, de Espírito Santo do Pinhal (SP), informa que cada etapa exige uma máquina. Depois de colhida, a noz passa pelo secador, porque senão a casca não quebra. Depois, vai para o descarpelador, que tira a película que envolve a castanha. Só depois disso é que vai para o quebrador, que quebra a casa, deixando a amêndoa pronta para consumo. Há ainda uma máquina, opcional, que faz a classificação e separação das amêndoas de acordo com o tamanho. De acordo com a Pinhalense, existem máquinas de vários tamanhos, por isso o preço varia muito. Um projeto pode sair de R$ 1 mil a R$ 500 mil, dependendo do tamanho e do volume de produção. Já o preparo para comercialização e embalagem são feitos por outros tipos de máquinas, não produzidas pela Pinhalense. Uma das opções em São Paulo é a empresa TecMaq, que comercializa máquina embaladora a vácuo. Há vários tamanhos e custam a partir de R$ 7.500. Mais informações, na ABM, tel. (0--11) 3923-4780 ou site: www.abm.agr.br. Pinhalense, tel. (0--19) 3651-9200. TecMaq, tel. (0--11) 2618-5511.

Onde encontrar mudas de jabuticaba

Gostaria de saber onde posso comprar mudas e obter informações sobre como plantar jabuticabeiras.

Miguel Tedde

tedde@usp.br

Mudas de jabuticabas podem ser encontradas na Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), da Secretaria de Agricultura de São Paulo. No Núcleo de Produção de Sementes e Mudas de Tietê, cada muda, com 60 a 80 centímetros de porte e de 3 a 5 anos, custa R$ 10 (para ser retirada no local). O endereço é Rodovia Marechal Rondon, km 155,5, Bairro Mandissununga. Tels. (0--15) 3282-1919 e 3282-1342. O pesquisador José Emílio Bettiol Neto, do Instituto Agronômico (IAC-Apta), diz que o plantio de jabuticabeiras deve ser feito em covas com dimensões de 50 x 50 x 50 centímetros. A adubação indicada por cova é de 20 litros de esterco de curral bem curtido, acrescido de 300 gramas de superfosfato simples e 100 gramas de cloreto de potássio. "Elas desenvolvem-se melhor em solos férteis, bem drenados e profundos", afirma. Em relação ao clima, há jabuticabeiras produzindo do Nordeste até o Rio Grande do Sul, sendo muito comuns no Sudeste. Sobre as podas, são recomendadas podas de formação e limpeza. Na de formação, eliminam-se os ramos que crescem na base do caule, com objetivo de formar as pernadas principais, à altura inferior a 80 centímetros do solo. Na poda de limpeza, deve-se retirar os ramos doentes, quebrados, secos e os em excesso, visando à maior aeração e insolação da planta. Segundo Bettiol Neto, plantas mantidas sob adequadas condições de umidade de solo podem produzir mais de uma safra anual. "Excesso de água no solo é, porém, prejudicial." Para mais informações, ele sugere ao leitor o livro Jabuticaba: instruções de cultivo, com informações básicas sobre a cultura e que possui como colaboradores pesquisadores do IAC. Tel. (0--11) 4582-7284.

Plantas cítricas não precisam de podas

Como fazer poda de limão rosa, que já frutificou três vezes; de tangerina carioquinha, plantada há cinco anos, e de um pé de amora?

Solange de Paula Peres

São Paulo (SP)

O engenheiro agrônomo José Dagoberto De Negri, pesquisador do Centro Apta Citros Sylvio Moreira do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas (SP), afirma que as plantas cítricas, de maneira geral, não necessitam de podas. Segundo ele, raras são as vezes nas quais isso pode acontecer. "O que a leitora pode fazer é uma limpeza de galhos secos, doentes ou mal formados, mas tanto o limão rosa quanto a tangerina carioquinha não precisam ser podadas", afirma o pesquisador. Tel. (0--19) 3546-1399. Quanto à poda da amoreira, de acordo com os pesquisadores Rafael Pio, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e Edvan Alves Chagas, da Embrapa Roraima, para estimular a produção deve-se podar os ramos em julho. A poda, dizem, deve ser leve (retirada dos ramos secos, mal localizados e doentes), apenas para estimular a emissão de novas brotações. Eles orientam também aplicar esterco ou outra matéria orgânica ao redor da planta. Outra dica é sempre fazer regas, mas com pouca água, "nunca em exagero".

Leitor procura por mudas de rami

O leitor Fauzi Maluhy, de São Paulo (SP), está à procura de mudas de rami para comprar. Ele diz que está com dificuldade em encontrar lugares que comercializem a planta. Quem souber onde encontrar pode entrar em contato com o leitor pelo tel. (0--11) 5571-5070 ou pelo e-mail: fzmaluhy@yahoo.com.

Leitor quer sementes de milho cateto

O leitor Amenadabe Alves Feitosa, de Poá (SP), procura por sementes de milho cateto. Ele se dispõe a assumir os custos de remessa postal via Sedex. O endereço do leitor é Rua 26 de Março, 152, sobreloja, Poá (SP), CEP 08562-140.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.