CET admite problema ''temporário''

Companhia, que não divulga lentidão, não prevê mudanças e segue apoiando busca por novos 'caminhos'

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2009 | 00h00

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) admite ter constatado aumento no volume do tráfego em ruas usadas como rotas alternativas à Marginal do Tietê, mas não divulgou números comparativos dos congestionamentos antes e depois da adoção dos desvios. Por ora, não estão previstas mudanças nas rotas indicadas aos motoristas, segundo a companhia.

Nos horários de pico, a CET segue pedindo aos motoristas que adotem caminhos alternativos para fugir das intervenções. "Aos motoristas que se utilizam das vias que interligam os bairros à região central, a orientação é para que busquem caminhos alternativos ao destino, a partir dos corredores radiais, seguindo sempre as placas usuais de indicação de acesso às Pontes Piqueri, Julio de Mesquita Neto, Cruzeiro do Sul, Vila Guilherme e Tatuapé", diz a nota da CET.

Com 30 quilômetros de filas nos horários de pico, a Marginal responde por 20% a 27% de toda a lentidão média registrada diariamente na capital. A reportagem perguntou à CET se houve variação nesse índice após as interdições em cinco pontes, mas a Assessoria de Imprensa não respondeu.

As interdições devem durar até fevereiro de 2010. A obra também prevê quatro novas pontes e três viadutos. "Com o fim dos desvios, a Marginal vai fluir", assegura o diretor de Engenharia da Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), Paulo Vieira de Souza.

Segundo a CET, após a inauguração de 3,4 quilômetros de novas faixas, no dia 23, os índices de lentidão já foram reduzidos em até 10% no pico da tarde. O primeiro trecho tem 2,2 km, entre a Ponte da Freguesia do Ó e o acesso à Rodovia dos Bandeirantes, após a Ponte do Piqueri.

Para o motorista que já passa pelo local no sentido interior, a melhora no fluxo do trânsito é visível. Mas é só uma compensação pelo tempo perdido antes, entre as Pontes do Limão e da Freguesia do Ó, no trecho ainda em obras, segundo relata o caminhoneiro paranaense Roberto Afonso da Silva, de 37 anos. "Você ganha num ponto e perde no outro. Quando toda a Marginal tiver mais três pistas, o negócio vai andar mesmo", acredita ele, que cruza a capital três vezes por semana.

O segundo trecho com novas faixas tem 1,2 km e vai da Ponte do Tatuapé até a saída da Rodovia Presidente Dutra. A inauguração melhorou a velocidade entre Guarulhos e a zona leste. Mas, já perto da Vila Maria, os desvios voltam a congestionar o trânsito, que só melhora após a Ponte da Freguesia do Ó. Pela manhã, a CET informou que as novas faixas reduziram a lentidão em 7,5%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.