Cetesb apura mortandade de peixes no rio Sorocaba

Grande quantidade de peixes boiava na tarde de hoje nas águas do rio Sorocaba, na região do Jardim Abaeté, na zona norte de Sorocaba (SP). Piavas, curimbatás e tilápias agonizavam junto às margens do rio próximo da Ponte Luiz Francisco Damian Luizito.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

10 de fevereiro de 2011 | 20h06

No trecho, o rio ainda recebe esgotos domésticos, mas a maior parte dos dejetos passa por tratamento. Moradores entraram em contato com o Serviço Autônomo de Água e Esgotos (SAAE), que desenvolve um projeto de despoluição do rio.

Técnicos da Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Cetesb) estiveram no local e fizeram coleta de peixes e de amostras da água para análises. Eles também realizaram buscas na região na tentativa de identificar eventuais lançamentos clandestinos no rio.

De acordo com as primeiras informações, a mortandade ocorreu, provavelmente, em função de uma redução nos níveis de oxigênio na água. As causas, que podem ser o despejo de esgotos ou de poluentes industriais, ou ainda o nível baixo do rio após um período de cheias, serão identificadas a partir dos resultados das análises. Os laudos devem sair em uma semana.

Tudo o que sabemos sobre:
mortandadepeixerio Sorocaba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.