Chávez pede 3º mandato de Lula ou eleição de Dilma

Confrontado com a hipótese de vitória oposicionista, diz que não se mete em questões internas de outros países

Denise Chrispim Marin, ENVIADA ESPECIAL, EL TIGRE, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, lamentou ontem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha de deixar o governo do Brasil em 1º janeiro de 2011 e defendeu sua candidatura a um terceiro mandato. Declarou, no entanto, ter certeza de que, em 2010, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, será eleita sucessora de Lula.

"Eu lamento que Lula saia do governo. Por que ele tem de sair? Se um presidente governa bem e tem 80% (de aprovação popular), por que ele tem de sair?", perguntou Chávez, em entrevista a jornalistas brasileiros, enquanto esperava o desembarque de Lula em uma pista de pouso de El Tigre. Apesar de apoiar Chávez e achar que a Venezuela é uma "democracia plena", Lula já disse, mais de uma vez, que considera a "alternância de poder essencial para a democracia".

Ontem, o próprio Lula, num ato falho, ao assinar o acordo final para construir a refinaria Abreu e Lima - uma associação entre as estatais brasileira e venezuelana de petróleo, Petrobrás e PDVSA -, disse esperar que ele e Chávez inaugurem a obra num prazo de "cerca de dois anos ou um pouco mais". Nesse período, ele já estará fora do Planalto.

Chávez acrescentou que não entende por que a presidente do Chile, Michele Bachelet, também terá de deixar o cargo ao fim de seu mandato no próximo ano, se conta com índice de aprovação de 60%. "Só deixo a pergunta no ar." Ao ressaltar sua "certeza" de que Dilma será eleita para suceder a Lula, o presidente venezuelano disse que ela "tem peso, é uma grande mulher e tem a cabeça bem ordenada". E decretou: "Ela será a próxima presidente do Brasil. Podem escrever."

Confrontado com a hipótese de vitória de um candidato da oposição, Chávez apelou para o princípio da não-interferência em assuntos de outros países. "Não me meto em questões internas. Vocês são soberanos e podem fazer o que queiram. Eu não me meto."

Diante da notícia de que a Comissão de Relações Exteriores do Senado brasileiro aprovara a entrada da Venezuela no Mercosul, Chávez disse que em seu país há "plena democracia" e "plena liberdade de expressão". "Que ninguém acredite nesses pontos sobre o ditador Chávez e sobre a perseguição a jornalistas", afirmou. "Em Honduras, sim, há ditadura e fecharam canais. Aqui, não. Vocês podem dizer o que queiram."

COLHEITA

O presidente venezuelano e Lula acompanharam a primeira colheita de soja em um projeto agrário que também leva o nome de José Inácio de Abreu e Lima (1794-1869), militar brasileiro que combateu na Venezuela com as tropas de Simón Bolívar. O projeto, que o governo chavista classifica de "agrário integral socialista", fica nas proximidades de El Tigre e foi realizado com parceria da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Depois de observar a colheita da soja, Lula e Chávez se reuniram em uma tenda improvisada. Ao sair em direção ao local onde seriam assinados 15 acordos bilaterais, foram surpreendidos por uma forte chuva e pela ventania, que destruiu toda a estrutura de apoio ao evento. Apesar do temporal, Chávez insistiu em carregar Lula na chuva, para inaugurar uma estátua de Abreu e Lima.

AVIÃO RESERVA

Lula embarcou de volta ao Brasil no avião reserva da Presidência. O Air Bus usado pelo presidente, o chamado Aero Lula, sofreu uma pane logo depois de aterrissar. A alternativa foi utilizar o Boeing 737, que havia trazido parte de sua comitiva e a imprensa.

FRASES

Hugo Chávez

Presidente da Venezuela

"Eu lamento que Lula saia do governo. Por que ele tem de sair? Se um presidente governa bem e tem 80% (de aprovação popular), por que ele tem de sair?"

"(Dilma) tem peso, é uma grande mulher e tem a cabeça bem ordenada. Ela será a próxima presidente do Brasil. Podem escrever"

"Não me meto em questões internas. Vocês são soberanos e podem fazer o que queiram. Eu não me meto"

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.