Cientistas pedem maior troca de dados sobre gripe aviária

Especialistas em gripe pedem a criação de uma nova base de dados para compartilhar informações sobre a gripe aviária, um sistema que, segundo eles, promoverá a pesquisa sobre o vírus e ajudará países a evitar uma catástrofe sanitária. A carta com o apelo, publicada na revista Nature, é assinada por dezenas de cientistas, num verdadeiro "Quem é Quem" da ciência sobre a gripe, incluindo seis ganhadores do Nobel.A carta afirma que os cientistas que participam da Iniciativa Global para Compartilhar Dados da Gripe Aviária concordam em publicar resultados de forma colaborativa. A despeito disso, algumas autoridades reagiram à proposta com ceticismo. "Certamente apoiamos o espírito da carta, mas não está claro em quê essa iniciativa acrescentará no monitoramento" da doença, disse Dick Thompson, porta-voz da Organização Mundial da Saúde.A idéia de uma base de dados compartilhada em escala mundial pode ser animadora, mas não se sabe quanto isso viria a mudar o monitoramento do vírus H5N1, uma vez que os especialistas já têm amplo acesso aos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).Mas, nos últimos meses,a OMS se viu sob uma barragem de críticas por conta de seu "bando de dados secreto", ao qual têm acesso apenas alguns cientistas selecionados. Sendo uma agência da ONU, a OMS não tem autonomia para divulgar dados sem a permissão dos países onde a informação tem origem.Diversos países afetados pela gripe aviária foram criticados por colocar o combate mundial à doença em perigo, omitindo dados. Numa reversão de posição recente, o Ministério da Saúde da Indonésia anunciou que o país compartilhará seus dados sobre o vírus da gripe aviária com a comunidade internacional.

Agencia Estado,

24 de agosto de 2006 | 10h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.