Concessão de rodovias e ferrovias vai girar R$133 bi

Com o objetivo de dar mais fôlego para a economia brasileira, o governo anunciou nesta quarta-feira um pacote de concessões de ferrovias e rodovias no valor de 133 bilhões de reais, o maior já feito no país.

Reuters

15 de agosto de 2012 | 11h43

Desse total, 91 bilhões de reais serão destinados para ferrovias e o restante, de 42 bilhões de reais, para rodovias.

Ao todo, o "Plano Nacional de Logística: Rodovias e Ferrovias" prevê que serão colocados para a iniciativa privada 10 mil quilômetros em ferrovias, por meio de 12 lotes, e 7,5 mil quilômetros em rodovias, com 9 lotes. Nos primeiros cinco anos, esses projetos vão absorver 79,5 bilhões de reais.

"Temos que avançar para nova etapa que significa restabelecer a capacidade de planejamento integrado do sistema de transporte, fazendo com que haja integração dos modais rodoviário, ferroviário, de portos e aeroportos", afirmou o ministro dos Transportes, Paulo Passos, ao apresentar o plano em cerimônia com as presenças da presidente Dilma Rousseff, ministros e empresários.

Os leilões nas rodovias já começam esse ano. A expectativa do governo é licitar em dezembro deste ano o trecho mineiro da BR 116 e, em janeiro de 2013, a ligação de Brasília (DF) a Juiz de Fora (MG) pela BR 040.

Para os outros sete trechos de rodovias a serem concedidos pelo governo, a previsão é publicar o edital em março do ano que vem e fazer o leilão em abril de 2013.

Para as ferrovias, a proposta do governo é fazer Parceiras Público Privadas (PPPs) em 12 trechos de ferrovias, como o Ferroanel de São Paulo.

A estatal Valec vai comprar a capacidade de transporte e vai vende-la aos interessados.

(Reportagem de Tiago Pariz, Leonardo Goy, Jeferson Ribeiro e Luciana Otoni)

Mais conteúdo sobre:
TRANSPORTESPLANOTOTALATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.