Cremado em Embu corpo de Leon Cakoff

Foi com uma salva de palmas que os amigos de Leon Cakoff se despediram do criador da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo na tarde de ontem. Cakoff, que morreu na sexta-feira, aos 63 anos, vítima de um câncer, foi velado no Museu da Imagem e do Som (MIS) até as 13 horas. O corpo seguiu para o Cemitério Parque Brasil, em Embu das Artes, região metropolitana de São Paulo, onde foi cremado.

FLAVIA GUERRA, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2011 | 03h07

"É uma perda irreparável. Leon é insubstituível. A formação cinematográfica de São Paulo deve muito a ele", declarou o diretor Cao Hamburger.

"Leon era um dos últimos grandes diretores de festivais de cinema do Brasil e do mundo que tinham a coragem de investir e apostar em novos talentos. Em um tempo em que todos apostam no seguro e na mesmice, essa é uma qualidade rara. Vai fazer muita falta", completou o diretor Carlos Reichenbach.

Homenagem. Nomes da política, do cinema e da televisão passaram pelo MIS desde sexta-feira. Estiveram presentes o ex-governador José Serra, o secretário municipal da Cultura, Carlos Augusto Calil, o cineasta Ugo Giorgetti, o produtor Fabiano Gullane, a cenógrafa Daniela Thomas, o escritor Marçal Aquino, a apresentadora Marina Person, Adhemar Oliveira, Patricia Durães, Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi, Rubens Ewald Filho, a atriz Alice Braga, Sérgio Machado e a produtora Sara Silveira.

A 25.ª edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo será a primeira sem a participação do seu criador. Começa nesta quinta-feira para convidados e na sexta abre para o público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.