CTNBio aprova algodão transgênico da Monsanto resistente

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou nesta quinta-feira uma semente transgênica de algodão da Monsanto, que combina resistência a pragas e também é tolerante ao herbicida glifosato, informou a companhia em comunicado.

Reuters

16 de agosto de 2012 | 18h28

A tecnologia da Monsanto, chamada Bollgard II Roundup Ready Flex, controla pragas "lepidópteras" que atacam o algodão no Brasil, entre as quais a curuquerê do algodoeiro (Alabama argillacea), lagartas das maçãs (Heliothis virescens e Helicoverpa zea) e lagarta rosada (Pectinophora gossypiella), com a proteção adicional das plantas contra a lagarta do cartucho (Spodoptera frugiperda).

O glifosato é um agroquímico utilizado no controle de plantas daninhas que representam um problema no campo durante o desenvolvimento da cultura.

Segundo a Monsanto, esta semente geneticamente modificada já tem seu uso aprovado nos Estados Unidos (desde 2005), no Canadá (2005), no Japão (2005), no México (2006), na Coreia do Sul (2006), nas Filipinas (2006), na Colômbia (2007), na África do Sul (2007) e na Austrália (2006).

A Monsanto é a companhia que conta com o maior número de produtos agrícolas transgênicos aprovados para plantio comercial no Brasil.

Em 2011, a companhia faturou 2,8 bilhões de reais comercializando a linha de herbicidas Roundup, sementes de soja convencional e geneticamente modificada, sementes convencionais e geneticamente modificadas de milho.

(Reportagem Fabíola Gomes)

Mais conteúdo sobre:
COMMODSALGODAOMONSANTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.