Cultivo de cacau 'verde' cresce 40%

Grifes de chocolate já aderiram à tendência, que começa a ser seguida pelas multinacionais do ramo, como Kraft Foods e Mars

Andrea Vialli, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2010 | 00h00

Em breve, o consumidor brasileiro terá a opção de saborear chocolate com selo de sustentabilidade. De pequenas grifes de chocolate gourmet a grandes multinacionais do ramo, está crescendo o interesse pelo cacau com certificação da Rainforest Alliance, selo internacional que atesta boas práticas agrícolas, sociais e ambientais.

No Brasil, o movimento ainda é incipiente, mas a tendência já fez com que a certificação de lavouras de cacau com o selo Rainforest Alliance crescesse 39,6% no ano passado, em comparação com 2008.

Grifes de chocolate, como a Chocolat du Jour, aderiram à tendência: trouxeram ovos de Páscoa e produtos com alto teor de cacau referendados pelo selo verde. Gigantes do ramo, como Kraft Foods, Mars e Cadbury, estabeleceram metas globais para aumentar a presença do cacau certificado nos próximos anos, o que deve também ocorrer no Brasil.

"O cenário é propício porque as gigantes do setor querem aumentar sua oferta de chocolate com selo verde, pois isso começa a ser exigido pelo consumidor na Europa e nos EUA. Esse movimento também está começando no Brasil", explica Lineu Siqueira Júnior, coordenador de certificação agrícola e florestal do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), entidade responsável pela certificação Rainforest Alliance no Brasil. Segundo ele, em dez anos será comum encontrar, nas prateleiras dos supermercados, chocolates certificados.

Siqueira cita como exemplo a gigante do ramo de chocolates Mars. Em 2009, a empresa anunciou um compromisso global de ser 100% certificada até 2020 - o que significa adquirir 100 mil toneladas de cacau com selo nos próximos dez anos. A Kraft Foods, outra multinacional, que no Brasil é dona da marca Lacta, assumiu a meta de comprar 30 mil toneladas de cacau certificado até 2012. A suíça Nestlé também estuda o assunto, pois está há semanas na mira da ONG ambientalista Greenpeace. A multinacional é acusada de comprar óleo de palma de áreas devastadas da Indonésia para produzir chocolate.

Retomada. A ainda tímida, mas crescente, busca por chocolates com selo de origem está ajudando a reerguer no Brasil a cultura do cacau, que sofreu perdas milionárias com pragas como a vassoura-de-bruxa.

Atualmente, o Brasil produz cerca de 4% do cacau que o mundo consome. Mas o porcentual já foi mais expressivo. A Bahia, principal Estado produtor, chegou a cultivar 400 mil toneladas por ano. Hoje, de suas terras brotam 100 mil toneladas por ano. Estados amazônicos como Pará e Rondônia estão voltando a ter relevância nesse cenário: o Pará produz em torno de 40 mil toneladas por ano e as lavouras crescem a taxas anuais de 10%. Rondônia e Espírito Santo, outra região onde a cultura do cacau volta a respirar, respondem juntos por um cultivo anual de cerca de 3,2 mil toneladas.

"A cultura do cacau no Brasil ainda é pontuada por baixa produtividade, mas o selo verde pode ajudar a reverter esse padrão", diz Patrícia Moles, diretora da Delfi Cocoa, empresa com origem em Cingapura que atua no processamento do cacau. A empresa - que funciona como uma intermediária entre os produtores rurais e a indústria que consome a matéria-prima e a transforma em produtos como chocolates e derivados - conquistou neste ano o selo Rainforest Alliance para atender a demanda de gigantes como Mars e Kraft Foods.

A produção certificada sai direto do sul da Bahia, tradicional zona cacaueira que agora está se voltando para a certificação socioambiental.

PARA ENTENDER

Auditoria comprova adesão a selo

O selo Rainforest Alliance tem reconhecimento em todo o mundo e comprova, por meio de auditorias independentes, que as práticas agrícolas não degradam o ambiente (solo, água e florestas) e que os agricultores envolvidos na cultura possuem condições dignas de trabalho e remuneração.

Entre os objetivos do selo estão reduzir a poluição e o consumo de água, diminuir a erosão do solo, proteger os hábitats de vida selvagem e produzir menos resíduos (aproveitando sobras como fertilizante natural). No caso do cacau, por ser uma cultura agroflorestal - o cacaueiro cresce na sombra de árvores -, não há desmate para produzir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.