Dilma vai à cozinha em jantar com PP

Em ritmo de campanha, ministra agradece empregados e tira fotos

Vera Rosa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

Acusada até por petistas de não ter jogo de cintura política, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, mostrou na noite de quarta-feira que o treinamento para a campanha de 2010 já está surtindo efeito. Após participar de jantar com parlamentares e dirigentes do PP, na casa do líder da bancada na Câmara, Mário Negromonte (BA), Dilma foi até a cozinha agradecer aos empregados.

"E aí, gente? Eu vim cumprimentar vocês", disse a ministra, sorridente. Candidata do PT à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ela beijou a cozinheira, abraçou ajudantes, acenou para garçons e tirou fotos com a equipe responsável pelos quitutes. "Parabéns! Obrigada por tudo", agradeceu, esbanjando simpatia, após saborear peixe e legumes grelhados.

O clima do jantar também foi de descontração. Diante de deputados, senadores, ministros e dos governadores Alcides Rodrigues (Goiás) e Ivo Cassol (Rondônia), Dilma foi só elogios ao PP - partido do deputado Paulo Maluf (SP) que, num passado não muito distante, era inimigo dos petistas. "Somos parceiros no governo. A gente não sabe onde começa a realização de vocês e onde começa a nossa", discursou.

Integrante da base de sustentação do governo Lula, o PP comanda o Ministério das Cidades e deve se juntar ao PMDB no apoio a Dilma, apesar da briga com o PT em alguns Estados, como São Paulo, Minas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás e Mato Grosso do Sul. Em Minas, por exemplo, o partido é aliado do governador Aécio Neves, um dos presidenciáveis do PSDB.

"Não há nada que uma intervenção cirúrgica não resolva", insistiu Negromonte, alegando que Lula será "o grande cirurgião" dos acordos nos Estados. "Só não podemos deixar nenhum de nossos candidatos na UTI."

Na prática, o PP vai aguardar a definição sobre o destino de Aécio - que disputa com José Serra a indicação do tucanato para concorrer ao Planalto - antes de anunciar sua posição na campanha de 2010. O principal motivo para não tornar público o apoio a Dilma agora é que Aécio é sobrinho do presidente do PP, senador Francisco Dornelles (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.