Discovery entra em órbita, rumo à ISS

O ônibus espacial Discovery decolounesta terça-feira para uma missão de 12 dias, em meio a dúvidas sobre suasegurança e após dois adiamentos causados pelo mau tempo na regiãode Cabo Canaveral no fim de semana.Depois de entrar em órbita, a Discovery modificou levemente suatrajetória rumo à Estação Espacial Internacional (ISS). O acoplamento com o complexo em órbita deverá acontecer napróxima quinta-feira, segundo o programa previsto pela Nasa para amissão.Existe a possibilidade de a missão, que também incluirá doispasseios espaciais, se prolongar por um dia para realizar umaterceira atividade extraveicular."A tripulação está realizando as últimas confirmações e se dispõea abrir a comporta de carga", indicou o controle em Houston, onde oclima era de comemoração. Na primeira missão espacial tripulada realizada no período de um ano pelaNasa, a nave, com sete tripulantes,decolou às 14h38 (15h38 de Brasília) do Centro Espacial Kennedy semo registro de problemas. "A aventura começou. O lançamento aconteceu de acordo com asprevisões", disse o controle da missão depois que o motor principalda nave foi desprendido.Esta foi a primeira decolagem de uma nave da Nasa em 4 de julho,o Dia da Independência dos Estados Unidos.Câmeras instaladas na nave e em terra para acompanhar de pertoa decolagem não detectaram nenhum desprendimento de espuma isolante,o que preocupava a Nasa, já que nesta segunda-feira foi descobertauma fissura nesse material, que cobre o tanque externo do Discovery.O desprendimento de um pedaço de espuma isolante fez com que anave Columbia se desintegrasse, matando seus sete tripulantes no dia1º de fevereiro de 2003. O problema repetiu-se, sem conseqüências, durante a missãorealizada pela Discovery rumo à ISS em julho do ano passado, e asautoridades cancelaram as viagens das naves para realizar uma sériede modificações no tanque externo.Além de levar carga e um novo tripulante paraa ISS, o astronauta alemão Thomas Reiter, a missão STS-121 do ônibusespacial deve testar as remodelações feitas na nave, que custaramUS$ 1,3 bilhão para a Nasa.Essas modificações incluem um novo desenho do sistema deisolamento do tanque, a inspeção em vôo do sistema deproteção térmica e a capacidade de realizar uma missão de resgatecaso seja necessário.

Agencia Estado,

04 de julho de 2006 | 19h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.