Enfermeira em quarentena por Ebola planeja mover ação que questiona confinamento

Uma enfermeira mantida em quarentena para monitoramento Ebola, em Nova Jersey, planeja mover uma ação judicial federal questionando seu confinamento como uma violação de seus direitos civis, afirmou seu advogado à Reuters neste domingo.

REUTERS

26 de outubro de 2014 | 19h29

Norman Siegel, um conhecido advogado de direitos civis, disse que o confinamento de Kaci Hickox, depois que ela voltou da África Ocidental, levanta "sérias questões de liberdades constitucionais e civis", já que ela permanece sem sintomas e não testou positivo para Ebola.

"Nós não estamos indo para contestar o governo tem, em determinadas circunstâncias, o direito de emitir uma quarentena", disse ele. "A política é muito ampla quando aplicado a ela."

(Por Joseph Ax; texto de Fiona Ortiz)

Mais conteúdo sobre:
EBOLAENFERMEIRAEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.