Escola suspeita de fraude tem nota baixa no Saresp

O desempenho da Escola Estadual Reverendo Augusto da Silva Dourado, de Sorocaba, acusada de fraudar o Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp) para obter a melhor média do Estado em 2011, despencou na avaliação de 2012. A média de 9,3 nas provas de português e matemática, a melhor entre todas as instituições do Estado naquele ano, caiu para 2,63 ano passado, um dos piores desempenhos entre as escolas da região, segundo o resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp), divulgado no último dia 28.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

01 de abril de 2013 | 17h05

Na época, professores foram acusados de ajudar os alunos a responder as questões para receber bônus pelo desempenho. A suspeita de fraude resultou numa investigação, ainda não encerrada, e na remoção de toda a direção do estabelecimento. Na prova de 2011, todos os alunos tiveram nota máxima em matemática. Em 2012, nenhum deles conseguiu a melhor avaliação e a maioria ficou abaixo do básico. Em português, no ano passado, só um aluno teve desempenho avançado.

O atual diretor, Edvaldo Néri, que assumiu no final de fevereiro, conta que, após a denúncia de fraude, a escola entrou em crise e ficou alguns meses sem dirigente. Ele é o terceiro diretor em menos de um ano. "Estamos tentando reerguer a escola", disse. No ano passado, apenas 12 alunos da quinta série fizeram a avaliação do Saresp, contra 27 do ano anterior. "Antes, os professores iam até às casas buscar os alunos para as provas, mas no último exame isso não ocorreu", explicou.

Também houve uma diminuição no número de alunos em razão do despejo de dezenas de famílias que ocupavam áreas invadidas. Com a demolição dos barracos, os moradores migraram para outras regiões. A escola fica no Jardim Iporanga, bairro pobre, com ruas de terra, encravado no distrito industrial de Sorocaba. Algumas famílias ainda estão ameaçadas de despejo por ocupação irregular de imóveis. Entre os pais dos alunos, poucos têm qualificação para disputar vaga nas indústrias e alguns conseguem, no máximo, emprego de vigia noturno.

O diretor conta que está formando uma horta na escola para ajudar as famílias carentes. Apesar dos problemas, os pais defendem a escola. "É melhor do que deixar as crianças na rua", disse a faxineira Cleonice Alves, mãe de dois estudantes. A suposta fraude está sob investigação da Procuradoria Geral do Estado (PGE). A apuração corre em sigilo.

Tudo o que sabemos sobre:
SarespfraudeSorocaba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.