Estação espacial internacional, a ISS, faz dez anos

Marco inicial foi o lançamento, pela Rússia, do módulo Zarya, em 20 de novembro de 1998

Carlos Orsi, do estadao.com.br ,

20 Novembro 2008 | 09h34

Os países envolvidos na construção da Estação Espacial Internacional (ISS) celebram, nesta quinta-feira, 20, os dez anos do início da montagem da maior estrutura artificial na órbita da Terra. O marco inicial da ISS foi o lançamento, pela Rússia, do módulo Zarya, em 20 de novembro de 1998.   Veja também: Astronauta perde a bolsa no espaço Astronautas da ISS iniciam primeiro trabalho extraveicular Endeavour se acopla à ISS em missão para ampliar complexo Urina purificada servirá de água potável para astronautas   O Brasil, embora tenha se integrado ao projeto em 1997, nem sequer é mencionado na nota comemorativa distribuída pela Nasa, que se refere à ISS como um "empreendimento de cooperação internacional" entre Estados Unidos, Rússia, Canadá, Europa e Japão.   No acordo de 97, o Brasil se comprometia a fornecer seis peças para a Estação, a um custo de US$ 120 milhões. Nenhuma delas foi entregue. A Agência Espacial Brasileira (AEB) foi procurada pela reportagem, mas nenhum funcionário graduado foi encontrado para comentar o aniversário da ISS e o papel do Brasil no programa.   Concebido ainda na década de 1980 pelos EUA como a Estação Espacial Freedom (Liberdade), o projeto de uma grande base de ocupação humana permanentente no espaço acabou se mostrando excessivamente ambicioso. A Estação Espacial atual é uma versão bastante reduzida do que se previa para a Freedom.   Paralisada em 2003, após a destruição do ônibus espacial Columbia com sete astronautas a bordo, a construção da ISS só foi retomada em 2005, com os EUA assumindo o compromisso de concluir sua parte da montagem até 2010, mesmo ano em que a frota americana de ônibus espaciais deverá parar de voar. O último módulo da ISS, um laboratório europeu, deverá ser acoplado à estrutura em 2011, e será levado ao espaço a bordo de uma nave de carga russa.   Hoje, a Estação Espacial tem capacidade para abrigar uma tripulação permanente de três astronautas, substituída a cada seis meses. Além disso, desde 2001 recebe turistas espaciais, que têm pago até US$ 30 milhões para ir à ISS a bordo de naves russas Soyuz.   Alguns países também já usaram vôos russos à ISS para lançar seus primeiros astronautas. Foi o caso do brasileiro Marcos Pontes, em 2006, do malasiano Sheikh Muszaphar Shukor, em 2007, e do sul-coreano So-Yeon Yi, em 2008.   O ônibus espacial Endeavour, que chegou à ISS no início desta semana, leva o material necessário para que o posto orbital passe a abrigar, a partir de meados de 2009, seis tripulantes permanententes.   Atualmente, a ISS tem um volume de 707 metros cúbicos, comparável ao de uma casa de cinco dormitórios, onde estão abrigadas 19 instalações para pesquisas científicas. Seus paínéis solares têm uma área de 2,6 mil metros quadrados, aproximadamente um terço de um campo de futebol. Ela orbita a Terra a uma altitude de 386 km.

Mais conteúdo sobre:
ISS 10 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.