EUA garantem que ajuda à Coreia do Norte irá para lugar certo

O enviado norte-americano para a Coreia do Norte, Robert King, disse nesta quinta-feira que estava confiante de que a oferta de alimentos proposta ao país irá para as pessoas que realmente precisam, como parte de um recente acordo para iniciar o desarmamento nuclear norte-coreano, mas não anunciou um plano final.

REUTERS

08 Março 2012 | 10h15

King, enviado dos Estados Unidos para Direitos Humanos na Coreia do Norte, disse que as conversas com autoridades do país na capital chinesa ajudaram a eliminar empecilhos administrativos para o auxílio.

Ele sugeriu que as preocupações com a possibilidade de os alimentos serem desviados pelo governo norte-coreano para suas próprias necessidades haviam sido solucionadas.

"Nós tivemos conversas muito produtivas e positivas", afirmou King a repórteres, muitos deles japoneses e sul-coreanos, no aeroporto de Pequim. "Estou muito satisfeito com nossas discussões."

Segundo o enviado norte-americano, um dos principais pontos das conversas era a preocupação dos Estados Unidos para que a ajuda fosse para as pessoas realmente necessitadas e, quando questionado, ele disse que estava confiante sobre esse ponto.

As negociações entre EUA e Coreia do Norte na capital chinesa foram o último passo para persuadir o governo norte-coreano a limitar suas atividades nucleares e retornar para o diálogo com seis nações sobre o desarmamento, que foi interrompido após 2008.

A Coreia do Norte anunciou na semana passada um acordo com os Estados Unidos sob o qual seu governo irá suspender partes essenciais de seu programa nuclear e deixar monitores da Organização das Nações Unidas (ONU) visitar instalações de energia atômica.

Os EUA, em resposta, prometeram voltar a fornecer ajuda com alimentos para áreas isoladas e pobres do país, apesar de o governo norte-americano ter afirmado repetidas vezes que a ajuda e o desarmamento não estão diretamente ligados.

A oferta norte-americana envolve 240 mil toneladas métricas de alimentos a serem entregues em carregamentos mensais.

(Reportagem de Ben Blanchard)

Mais conteúdo sobre:
COREIAN AJUDA EUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.