Ex-premiê da Ucrânia é condenada a 7 anos de prisão

Um tribunal ucraniano condenou nesta terça-feira a ex-premiê Yulia Tymoshenko a 7 anos de prisão por abuso de poder em um acordo de gás natural feito em 2009 com a Rússia.

REUTERS

11 Outubro 2011 | 07h50

"O tribunal...determinou que Tymoshenko é culpada... e a sentenciou a 7 anos de prisão", disse o juiz Rodion Kireyev.

Kireyev emitiu a sentença -- a pena máxima pedida pelos promotores públicos -- ao final de um julgamento de três meses que dividiu a sociedade da ex-república soviética e põe em risco as relações com o Ocidente.

A União Europeia, importante parceiro comercial da Ucrânia, alertou que a prisão da carismática líder da oposição colocará em risco a ratificação de um acordo de associação, previsto para ser assinado ainda neste ano.

Tymoshenko, de 50 anos, sorriu no momento em que Kireyev anunciou a sentença. Mas ela então se levantou e -- enquanto ele ainda estava lendo o veredito -- denunciou o "regime autoritário" do presidente Viktor Yanukovich e a falta de justiça na Ucrânia sob seu governo.

Mais cedo, Kireyev disse que a ex-premiê havia abusado de seus poderes ao coagir a empresa estatal de energia Naftogaz a assinar em 2009 um acordo de dez anos para fornecer gás natural à Rússia. O acordo fez com que a Ucrânia pagasse um preço exorbitante pelo gás natural.

Tymoshenko, que foi primeira-ministra duas vezes, mas perdeu a disputa pela presidência para Yanukovich em fevereiro de 2010, disse que seu julgamento era uma vingança de seu arqui-rival e negou que tivesse agido ilegalmente.

(Reportagem de Olzhas Auyezov)

Mais conteúdo sobre:
UCRANIA TYMOSHENKO PRESA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.