Família de jovem que morreu em voo abrirá ação, diz tia

A família de Jacqueline Ruas, que morreu durante o voo de volta de uma viagem de 12 dias à Disney no domingo, vai processar a agência de turismo responsável pelo passeio pela morte da menina, segundo informou hoje a tia Magda Santos. "Ainda estamos absorvendo essa situação. Estamos vendo nossos advogados porque é claro que houve falhas. Se a Jacqueline passou mal, por que ninguém nos avisou? Uma criança de 15 anos não é responsável pelos seus atos. Esses guias não estão preparados para nada, mas nada vai trazê-la de volta. Foi uma grande fatalidade", disse Magda, em entrevista ao programa "Mais Você", da TV Globo.

SOLANGE SPIGLIATTI/, Agencia Estado

05 Agosto 2009 | 11h55

De acordo com a tia, em nenhum momento a família foi informada pela empresa Tia Augusta de que a adolescente estava com pneumonia. "Eles me ligaram e disseram que eu não precisava ficar preocupada, que estava tudo bem. A Jacque ainda falou com a minha irmã de dentro do avião", disse. Em nota, a agência Tia Augusta afirmou que todos os procedimentos médicos foram tomados e a empresa lamenta a morte de Jacqueline.

A jovem apresentou sintomas de gripe após outro garoto que participava da excursão sofrer com os mesmos sintomas. Segundo a empresa de turismo, ela tomou pela primeira vez o antiviral Tamiflu em 29 de julho. No dia seguinte, ao se queixar de falta de ar, Jacqueline, de 15 anos, foi levada a um hospital norte-americano. Ali foi atendida, realizou um teste para gripe suína e, depois de medicada, foi liberada para o voo de retorno. O resultado para a Influenza A (H1N1) deu negativo e ela foi diagnosticada com pneumonia. A adolescente morreu na viagem, uma hora antes de chegar a São Paulo.

Em comunicado, a agência de turismo se diz "profundamente consternada com o falecimento da jovem" e informou que já pediu investigação tanto ao governo brasileiro quando ao dos Estados Unidos. "Estamos solicitando à embaixada brasileira nos Estados Unidos, à Embaixada dos Estados Unidos no Brasil e ao ministro da Saúde que intercedam junto às autoridades americanas para que estas apurem os procedimentos médicos adotados em Orlando no caso", informou o texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.