Farc confirmam morte de líder e fundador Manuel Marulanda

Segundo o grupo em comunicado transmitido pela Telesur, 'Tirofijo' teria morrido devido a um ataque cardíaco

Da BBC Brasil, BBC

25 de maio de 2008 | 12h55

Um dos comandantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Timoleón Jiménez 'Timocheko' confirmou neste domingo, 25, que o líder e fundador da guerrilha, Manuel Marulanda, conhecido como Tirofijo, está morto.  Veja também: Por dentro das Farc   Colômbia declara morto líder fundador das FarcO anúncio foi feito em um comunicado transmitido pelo canal de televisão Telesur. Timocheko afirmou que Marulanda teria morrido devido a um ataque cardíaco. De acordo com o comunicado das Farc, Marulanda será substituído na cúpula do grupo por Guillermo Sáenz, conhecido como 'Alfonso Cano'. O governo da Colômbia havia anunciado no sábado, 24, citando fontes de inteligência, que o comandante havia morrido no dia 26 de março e que as autoridades estavam investigando a causa da morte. Rumores Os primeiros rumores de que Marulanda estaria de fato morto começaram a aparecer depois da publicação de uma entrevista do ministro Juan Manuel Santos na revista colombiana Semana que chegou às bancas no sábado. Na entrevista, Santos afirmou que estaria investigando a morte do chefe guerrilheiro. Segundo o correspondente da BBC Mundo na Colômbia, Hernando Salazar, assim que a entrevista se tornou pública, os meios de comunicação passaram a confirmar a morte do líder guerrilheiro. No entanto, até o momento as Farc ainda não haviam se pronunciado sobre a morte de seu comandante e fundador. 'Inferno' Na entrevista à jornalista María Isabel Rueda, Juan Manuel Santos diz achar que Tirofijo "anda no inferno para onde vão os criminosos quando morrem". A morte do líder mais velho da guerrilha pode significar o mais duro golpe às Farc, que já atravessa um enfraquecimento, tanto pela deserção de milhares de soldados, como pela forte ofensiva militar do governo de Álvaro Uribe. O guerrilheiro fundou as Farc em 1964 e morreu depois de outros dois importantes integrantes da cúpula do movimento, Raúl Reyes, morto durante um bombardeio e Ivan Ríos, assassinado por seu guarda-costas. (Com informações de Cláudia Jardim, de Caracas)      BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.