Fórum dos leitores

Cranberry verdadeiro não frutifica no Brasil Gostaria de saber se há em São Paulo alguém que venda mudas de cranberry. Queria saber também se pode ser cultivada em nosso clima e se há algum tipo de remédio ou chá produzido no Brasil com esta fruta. Pesquisei e encontrei a uva-do-monte como alternativa, mas não sei ao certo se o benefício seria o mesmo, para infecção urinária.Maria Joséadm@mvhidrobombas.com.brO agrônomo Rodrigo Veraldi Ismael, especialista em fruticultura de clima temperado, diz que é preciso considerar dois pontos. O cranberry verdadeiro, explica, é uma planta da família das ericáceas, a mesma do mirtilo, das azaleias e do rhododendron. Seu nome científico é Vaccinium macrocarpon e é nativa do Hemisfério Norte. Existem grandes plantações nos EUA e no Canadá. O cultivo é feito em grandes planícies que, na época da colheita, são alagadas para que os frutos flutuem, o que facilita a colheita, mecanizada. Os frutos do verdadeiro cranberry não podem ser consumidos in natura. Devem ser cozidos e servem para fazer molhos e sucos, ou ainda desidratados. Seu fruto contém altos níveis de antioxidantes, especialmente as antocianinas. Outra variedade que também é conhecida como cranberry é do gênero Viburnum, espécie V. trilobum, comumente chamada de highbush cranberry, que não faz parte, porém, da família das ericáceas. O highbush cranberry não é tão apreciado como o verdadeiro cranberry, mas é usado em receitas tradicionais norte-americanas, como o famoso peru ao molho de cranberry, servido no dia de ação de graças. As mudas de highbush cranberry podem ser compradas no Viveiro Frutopia, e-mail: r.veraldi@terra.com.br ou ainda pelo blog http://pequenasfrutas.blogspot.com. Quanto às mudas de cranberry, ainda não há relato da espécie no Brasil. A árvore cujos frutos "dão" dinheiro Meu avô tem 92 anos e é grande apreciador de plantas. Ele está sempre buscando novas espécies - frutíferas e ornamentais - para plantar em sua chácara. Recentemente descobrimos uma árvore em uma praça próxima à nossa casa, mas não conseguimos identificá-la. Gostaríamos de saber qual a árvore e sua origem.Patrícia Piazzon QueirozSão Paulo (SP)Conforme o pesquisador Arnaldo Moschetto, da Estação Experimental Santa Luzia, a planta das fotos enviadas pela leitora é da espécie Dillenia indica, originária da Ásia tropical. É uma planta conhecida por diversos nomes populares, como árvore das patacas, árvore do dinheiro, flor de abril, saco-de-adão, bolsa de pastor, maçã-de-elefante, fruto do dinheiro, entre outros. Conforme o pesquisador, os frutos podem ser comestíveis, mas são pouco saborosos e mais utilizados para geleias. Na medicina popular, os frutos são picados e misturados ao álcool. Após curtir, têm uso tópico em locais doloridos, aliviando os sintomas. O nome "fruto do dinheiro" originou-se do uso das estrias dos frutos maduros para encaixar moedas. Já o nome "árvore do dinheiro" surgiu porque, antigamente, moedas eram introduzidas nos sulcos das frutas ainda verdes. A fruta "engolia" as moedas durante o crescimento. Quando os frutos amadureciam e eram cortados, as moedas estavam lá dentro. "É uma espécie de conto-do-vigário da antiguidade", diz. Informações, e-mail: arnaldomoschetto@gmail.com. Combate à erosão deve ser conjunto Tenho uma propriedade que está sendo invadida por uma voçoroca, proveniente de uma propriedade vizinha. Gostaria de saber mais sobre o problema e orientação de como proceder o controle.João jboucinha@itelefonica.com.brReverter erosão avançada, diz o pesquisador da Embrapa Agrobiologia Alexander Silva de Resende, passa pelo isolamento da área do gado (quando for o caso), ordenamento da água acima do seu ponto de erosão mais pronunciada, construção de barreiras físicas na linha de drenagem, dentro das voçorocas, e plantio de árvores. O isolamento da área do pastoreio de animais com cerca de arame e a construção de aceiros contra queimadas são as primeiras providências para proteger a cobertura vegetal existente e a que futuramente será instalada por meio da revegetação. Projeto de recuperação de áreas atingidas por voçorocas, conduzido pela Embrapa Agrobiologia, propõe a construção de "paliçadas", barreiras físicas feitas de bambu ou pneus velhos postas a cada 5 metros no terreno, em pontos da voçoroca onde a terra ainda está firme. "A paliçada de bambu é feita com dois ou três colmos na vertical e os demais na horizontal, presos com arame, formando um "muro". Do lado onde a água bate, a paliçada é coberta por sacos de ráfia, que "filtram" os sedimentos. Com os pneus, em cada bambu, são encaixados cinco pneus. "Depois os pneus são enchidos com terra e, na frente, são colocados sacos de ráfia presos com arame", explica. "Essa barreira reduz o impacto da água das chuvas na área já degradada." Outra medida é plantar, no entorno e no fundo da voçoroca, mudas de leguminosas para revegetar o local. "As leguminosas (mulungu, sansão-do-campo, orelha-de-macaco) têm capacidade de se associar a microrganismos do solo, como bactérias fixadoras de nitrogênio", diz. "O leitor deve conversar com seu vizinho para juntos contornarem o problema, pois ações só em sua área não serão suficientes." Mais informações, Resende indica o link www.cnpab.embrapa.br/publicacoes/sistemasdeproducao/vocoroca/index.htm.Instituto Biológico identifica insetoTenho uma pousada na Barra do Sahy, em São Sebastião (SP). Outro dia recebi a visita de um inseto com duas asas tipo planador nas patas traseiras. As asas têm na extremidade uma parte alongada e com ângulo de 90 graus, que são usadas como "descanso" das mesmas. Envio fotos e gostaria de saber o nome do inseto.Saad RomanoSão Sebastião (SP)Conforme o pesquisador Sergio Ide, do Instituto Biológico (IB-Apta), o nome científico do inseto é Diactor bilineatus, um percevejo (ordem Hemiptera), da família Coreidae, subfamília Coreinae. Em alguns lugares é conhecido popularmente como percevejo-do-maracujá, pois tem no maracujazeiro (Passiflora spp. e Passifloraceae) seu único hospedeiro. Os adultos podem alcançar 20 milímetros (machos) e 21,5 milímetros (fêmeas). Quanto aos ovos, têm coloração amarelada, são elípticos e brilhantes; têm a base achatada e medem 3 milímetros de comprimento e 1,6 milímetro de largura. "Os adultos raramente voam e quando molestados andam ou fazem voos curtos. IB-Apta, tel. (0--11) 5087-1700. Produtor de Minas tem muda de minifigoUm amigo me enviou o suplemento publicado em 4/2/2009 em que uma leitora solicitava informações sobre o minifigo e onde encontrá-lo. Somos os produtores pioneiros desta variedade de minifigo há mais de oito anos. Vendemos doces em calda e cristalizados para várias delicatessens em Minas e São Paulo. A Embrapa nos orientou e a Emater-MG nos acompanha no cultivo. Nossa plantação está em Fortuna de Minas, a 90 quilômetros de Belo Horizonte. Temos o intuito de difundir e consolidar o consumo desta variedade da fruta, que é adequada para a culinária, muito macia e saborosa, produzindo doces deliciosos. Contatos, e-mail: fortunadaterra@yahoo.com.br.Rogério Giannetti P. da Rocha Fortuna de Minas (MG)

O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2009 | 07h02

Tudo o que sabemos sobre:
Agrícolacartasfórum dos leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.