Fraude no exame da OAB afetou Enem

Ministério decidiu cancelar prova após Ordem detectar vazamento

Eduardo Kattah, BELO HORIZONTE, O Estadao de S.Paulo

12 de março de 2010 | 00h00

O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou ontem que a decisão do governo de não realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no meio do ano levou em conta o recente cancelamento da segunda fase do exame nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) após a suspeita de vazamento do gabarito da prova. O cancelamento do Enem foi anunciado anteontem.

"Temos de considerar a recomendação de especialistas em segurança. Não podemos negligenciar as recomendações da Polícia Federal nem desconsiderar que houve mais um episódio grave no País, em relação ao (cancelamento do) exame da Ordem dos Advogados do Brasil", afirmou Haddad, durante a inauguração de instalações da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O ministro não deixou claro se novas recomendações foram feitas pela PF após a suspensão da prova da OAB, anunciada no domingo.

Haddad ressaltou que havia sido alertado pelo Centro de Seleção e Promoção de Eventos (Cespe), que organizou o último Enem e a prova da OAB, de que há quadrilhas que se organizam para fraudar exames. "Temos de continuar avançando, mas em condições realistas, sabendo que tem gente que dedica 100% do tempo ao crime."

SELEÇÃO

Pelo menos cinco universidades federais que contavam com o Enem no meio do ano para preencher vagas nos cursos no segundo semestre devem usar as notas do exame de 2009. Cerca de 4,5 mil vagas serão preenchidas por candidatos que não foram aprovados no início do ano no Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O MEC informou que será possível reabrir o Sisu neste semestre caso as universidades queiram preencher as vagas por meio do sistema.

Outras três universidades ainda estudam o que fazer ou optaram por organizar um vestibular. A Universidade Federal do Amazonas decidiu fazer um vestibular e a Universidade Federal de Alfenas prepara sua prova, embora ainda esteja considerando a hipótese de utilizar novamente o Sisu. Na Federal de Pelotas, a questão deve ser decidida na próxima semana.

O Enem deste ano será realizado em novembro, após o segundo turno das eleições, mas ainda não foi formada a comissão organizadora para fazer a licitação da gráfica. Apesar de o governo ter conseguido, por questões de segurança, dispensar a licitação para a organização da prova, a impressão deverá ser licitada. COM LUCIANA ALVAREZ E CAROLINA STANISCI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.