Frio causa prejuízos à agricultura de Santa Catarina

A onda de ar polar que trouxe neve e geada em proporções atípicas para o tradicional inverno catarinense também representou prejuízos para dezenas de municípios. A forte e extensa geada que se formou na manhã desta quarta-feira, 24, representou perda de 70% da produção agrícola do município de Angelina, distante cerca de 70 quilômetros de Florianópolis. Plantações de repolho, couve-flor, brócolis, alface, beterraba, fumo e morango, entre outras hortaliças, que representam 80% da economia da cidade de 5,7 mil habitantes, foram completamente destruídas.

JULIO CASTRO, ESPECIAL PARA AE, Agência Estado

24 de julho de 2013 | 19h16

As cidades de Rancho Queimado, Major Gercino, Leoberto Leal, Chapecó, Joinville, Jaraguá do Sul e Lages também contabilizaram perdas na agricultura e pecuária. Apiúna, na região do vale do Itajaí, registrou prejuízo de R$ 500 mil das plantações de fumo e reflorestamento de eucaliptos.

O frio intenso, combinado com o acúmulo de gelo, provocou quedas de árvores sobre as linhas transmissão que levam energia para as cidades. Itaiópolis, no Planalto Norte, chegou a decretar situação de emergência. Na madrugada de terça-feira, cerca de 35 mil casas dos municípios de Canoinhas, Major Vieira, Monte Castelo, Papanduva e Santa Terezinha foram afetadas.

Além das perdas na agricultura e falta de energia, a neve causou prejuízos com o desabamento de cobertura de galpões, de ginásios de esportes, postos de combustíveis e telhados de algumas residências com estrutura inapropriada para suportar o acúmulo do gelo.

Mais conteúdo sobre:
friosscprejuízos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.