GM vende Saab para a Spyker

Acordo, de US$ 400 milhões, salva marca sueca da falência

, O Estadao de S.Paulo

27 de janeiro de 2010 | 00h00

A General Motors (GM) confirmou ontem a venda da marca sueca Saab à montadora holandesa de luxo Spyker, em uma operação multimilionária. Segundo o vice-presidente da GM, John Smith, a montadora americana receberá US$ 74 milhões da Spyker e manterá US$ 326 milhões em ações na companhia resultante da transação, a Saab Spyker Automobiles. Smith admitiu a existência de uma outra compensação no acordo, mas não entrou em detalhes durante a entrevista coletiva.

"A General Motors, a Spyker Cars e o governo sueco trabalharam muito duro e de forma criativa para um acordo que assegurasse um futuro sustentável para essa marca única e emblemática. Estamos contentes como o resultado", disse Smith.

A operação foi concluída um ano depois de a GM decidir desmantelar a linha de produção desses carros, e só foi possível depois que o governo sueco concordou em aprovar um empréstimo de US$ 564 milhões do Banco Europeu de Investimentos para a nova companhia.

Smith assegurou que o acordo não afetará os donos de carros Saab. A GM seguirá fazendo a manutenção da frota que já está nas ruas, manterá a garantia sobre os automóveis até o fim da transição e fornecerá autopeças para a fabricação dos novos Saab.

"Somos uma companhia global e não haverá interrupção nos serviços", afirmou o executivo, que não entrou em detalhes sobre qual será o novo plano estratégico da Saab Spyker Automobiles.

A venda é um alívio para a GM, que pediu concordata em 2009 e se viu obrigada a fazer uma profunda reorganização, pondo à venda marcas menores, como Saturn, Hummer e a divisão europeia da Opel, ainda que as operações não tenham prosperado. A GM busca centrar seu futuro apenas nas marcas Buick, Chevrolet, GMC e Cadillac.

DONO CERTO

Alguns analistas acreditam que a Saab poderia ser rentável com o dono correto. "É uma marca realmente brilhante. Provavelmente, é uma das maiores histórias de má administração de uma marca da história automobilística", disse Tim Urquhart, analista da IHS Global Insight, referindo-se à compra da Saab pela GM. "A Saab poderia ter sido uma Audi (controlada pela Volkswagen) sueca se tivesse sido administrada de forma correta nos últimos 20 anos. Mas isso não aconteceu, ela foi desvalorizada por pessoas que não entendem o que significa a marca, qual o seu potencial."

Mas ninguém afirma ainda que o dono correto para a Saab seja a Spyker. Essa empresa, que produz apenas algumas dezenas de carros esportivos por ano, fabricados quase artesanalmente, espera se beneficiar dos recursos técnicos da Saab e de sua rede de distribuição. Na segunda-feira, o mercado sentiu que o acordo estava prestes a ser fechado e impulsionou as ações da Spyker, que subiram quase 80% na Bolsa de Amsterdã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.