Grã-Bretanha diz que Putin age como 'tirano' em relação à Ucrânia

A Grã-Bretanha acusou o presidente russo, Vladimir Putin, no domingo, de agir como um "tirano" em relação à Ucrânia, mas disse que as forças de Kiev não poderiam derrotar o exército da Rússia no campo de batalha e que apenas uma solução política pode acabar com o derramamento de sangue.

REUTERS

08 Fevereiro 2015 | 10h11

"Ucranianos não podem derrotar o exército russo, essa não é uma proposta prática. Tem que haver uma solução política", disse o ministro das Relações Exteriores, Philip Hammond, à Sky News.

"Este homem (Putin) enviou tropas através de uma fronteira internacional e ocupou o território de outro país em pleno século 21 agindo como se fosse um tirano em meados do século 20. Nações civilizadas não se comportam dessa forma", acrescentou.

A Rússia nega as acusações ocidentais e ucranianas de que está apoiando ativamente os separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia, enviando regularmente tropas e armas à região.

Os comentários de Hammond foram feitos um dia após a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmar que o envio de armas para ajudar a Ucrânia a combater os separatistas não resolveria a crise da região, o que foi duramente criticado pelos políticos norte-americanos.

(Reportagem de Andrew Osborn)

Mais conteúdo sobre:
UCRANIAUKPUTIN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.