Gripe H1N1 interrompe aulas em duas escolas de SP e uma de BH

A nova gripe H1N1 levou uma segunda escola na cidade de São Paulo e outra em Belo Horizonte a antecipar as férias, após alunos terem confirmada a infecção pela doença no fim de semana, informaram as instituições e as secretarias de Saúde dos dois Estados nesta segunda-feira.

REUTERS

22 de junho de 2009 | 13h16

O colégio Magno, em São Paulo, decidiu suspender as aulas em uma de suas unidades até o dia 3 de agosto depois da confirmação de que dois de seus alunos, irmãos, contraíram a gripe após viajarem para a Argentina no feriado de Corpus Christi (11 de junho).

Na sexta-feira, o colégio Pueri Domus adotou a mesma medida em uma de suas unidades após um aluno ter sido infectado pela gripe também em viagem à Argentina durante o mesmo feriado. Um outro aluno do colégio já havia sido infectado por um familiar.

"Os alunos estão muito bem, foi uma forma muito branda (da doença)", disse a diretora-geral do colégio Magno, Myrian Tricate.

Segundo ela, os estudantes infectados chegaram a frequentar as aulas na semana passada e tiveram a doença confirmada no sábado e no domingo.

"A escola recebeu a orientação da vigilância epidemiológica para suspender as aulas somente das turmas desses alunos", disse a diretora.

"Mas, como muitos alunos passam o dia aqui e há várias áreas de convivência no colégio, não somente a sala de aula, achamos que seria mais prudente suspender as aulas do colégio todo", afirmou.

A Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo disse que por enquanto não pretende tomar nenhuma medida adicional para combater o alastramento da gripe, como pedir a suspensão de aulas no Estado.

Em Belo Horizonte, o colégio Marista Dom Silvério também suspendeu as aulas de uma classe após a confirmação da doença em dois alunos de 8 anos e uma professora.

Outras 19 crianças da mesma idade e que mantiveram contato com o primeiro estudante infectado pelo vírus também apresentaram sintomas da doença e estão sendo monitoradas em casa, segundo a Secretaria da Saúde do Estado de Minas Gerais.

A secretaria disse, no entanto, que não pode informar a procedência desses casos suspeitos, e o colégio não confirma que sejam alunos da instituição.

MAIS DE 200 CASOS NO BRASIL

O Ministério da Saúde confirmou no final de semana 84 novos casos de infecção pela gripe H1N1 no Brasil, elevando o total registrado no país a 215. São Paulo é o Estado com maior número de pacientes, 95 ao todo. O segundo colocado no ranking nacional da gripe é o Rio de Janeiro, com 30 casos.

Com a chegada do inverno, que começou no último domingo, a tendência é de aumento na transmissão da doença no país, segundo o infectologista Vicente Amato Neto, da Universidade de São Paulo (USP).

"A questão do clima é também um fato muito bem conhecido", disse o médico à Reuters na semana passada. "A transmissão pela via respiratória, infelizmente, é uma transmissão muito fácil. Então não é nada impossível que o número de casos aumente".

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a gripe H1N1 já infectou 44.287 pessoas em todo o mundo, com 180 mortes.

(Por Fabio Murakawa; reportagem adicional de Marcelo Portela e Hugo Bachega; Edição de Pedro Fonseca)

Tudo o que sabemos sobre:
GRIPEESCOLASFECHAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.