Herdeira do grupo Othon é presa acusada de tráfico

Jovem é presa quando embarcava para Amsterdã, na Holanda, levando 1,7 quilo de cocaína

Márcia Vieira, Agencia Estado

29 de outubro de 2007 | 19h14

A Polícia Federal prendeu na noite de domingo, 28, no Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim, no Rio, Nathalie Bandeira Bezerra de Mello, uma das herdeiras do grupo Othon, a maior rede hoteleira do País com capital nacional. Neta de Othon Lynch Bezerra de Mello, fundador do grupo, ela foi presa quando embarcava para Amsterdã, na Holanda, supostamente levando 1,7 quilo de cocaína. A droga estava em fundos falsos de duas mochilas e foi detectada ao passar pelos raios X. Nathalie é filha de Luiz Brito, irmão de Álvaro Bezerra de Mello, presidente do Conselho de Administração do Grupo Othon. Na PF, ela admitiu que estava traficando a droga "porque vive situação financeira difícil". Apesar de ser formada em psicologia, ela contou aos agentes que ganha R$ 700 por mês vendendo bijuterias. Nathalie chamou atenção dos policiais ao ser presa por estar muito bem-vestida. Ela telefonou apenas para um dos seus cinco irmãos.   Nesta segunda, ela foi levada ao presídio feminino Nelson Hungria, no complexo penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio. O processo está na 4ª Vara Federal Criminal, mas a família ainda não contratou nenhum advogado. Ela vai responder ao processo por tráfico de drogas, sujeita à pena de cinco a 15 anos de prisão.   O grupo Othon nasceu de uma pequena loja em Recife, montada por Othon Lynch Bezerra de Mello há 101 anos. Da lojinha, ele entrou no ramo têxtil e açucareiro. Em 1944, abriu seu primeiro hotel, no Rio. Hoje a rede administra mais de 40 hotéis na Europa e nos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.