Hillary e Obama discordam sobre efeito de disputa prolongada

Dependendo de quemfala, Hillary Clinton deveria desistir da candidatura pelo bemdo Partido Democrata ou permanecer na disputa porque todos oseleitores têm o direito de serem ouvidos. Os dois argumentos, brandidos respectivamente pelosseguidores de Barack Obama e de Hillary, citam princípioselevados, inspiram paixões e viram manchetes, mas são apenaspolítica, com pouca base concreta, segundo especialistas."Cada um está apresentando o melhor argumento político para sie declarando isso em termos de alguns princípios universais quenão existem", disse Sandy Maisel, diretor do Centro Goldfarbpara Assuntos Públicos, da Faculdade Colby, do Maine. "O lado dela diz: 'Cada voto conta', e o lado dele diz:'Acabou, por que ela não admite?"', disse Maisel. "Na verdade,não acabou, e houve muitos casos no passado em que nem todos osvotos contaram." De fato, no sistema norte-americano, várias eleições sãodecididas sem que muitos eleitores tenham chance de votar, e ahistória está repleta de exemplos de candidatos que venceram aseleições gerais depois de passarem por primárias acirradas. Além disso, a política é como as nuvens --muda de forma aqualquer instante. As pesquisas já mostraram Hillary bem àfrente, mas agora ela está atrás de Obama na disputa pordelegados para a convenção nacional de agosto. "É a política. Alguma coisa louca pode acontecer amanhã emudar a dinâmica completamente", disse Kathleen Dolan,cientista política da Universidade de Wisconsin, em Milwaukee. Isso é particularmente válido no caso do confrontoHillary-Obama, segundo Larry Sabato, diretor do Centro dePolítica da Universidade da Virginia. A senadora está sendoavaliada há anos, enquanto seu rival é menos conhecido, o quedeixa sua candidatura mais suscetível a surpresas. "O ponto de vista dela é que alguma coisa poderia aparecera respeito de Obama", disse Sabato. Mas seguidores de Obama dizem que Hillary deveria desistirda disputa porque já praticamente não tem mais chances e oprolongamento da batalha pode beneficiar John McCain, candidatorepublicano para a eleição de novembro. O próprio Obama, porém, diz que Hillary tem o direito depermanecer na disputa enquanto quiser.

ELLEN WULFHORST, REUTERS

04 de abril de 2008 | 10h48

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOHILLARYOBAMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.