Incêndio em cobertura atinge coleção de arte no Rio

Um incêndio no apartamento do colecionador de arte romeno Jean Boghici, iniciado por volta das 18h desta segunda-feira, em Copacabana, zona sul do Rio, atingiu uma das mais importantes coleções particulares de quadros de artistas brasileiros no País.

AE, Agência Estado

14 de agosto de 2012 | 11h09

O acervo fica no 12º andar de um dúplex localizado na Rua Barata Ribeiro, onde mora Boghici, ex-dono da Galeria Relevo. De acordo com testemunhas e com a própria mulher do marchand, as chamas teriam começado no ar-condicionado e se espalhado pelo apartamento. Suspeita-se que tenha havido um curto-circuito.

Borghi e a mulher conseguiram escapar sem ferimentos, mas os bombeiros demoraram cerca de duas horas para controlar o incêndio. O acesso ao apartamento foi bloqueado e moradores do nono andar em diante tiveram que permanecer fora de casa durante o combate às chamas.

Borghi chegou a voltar ao apartamento durante a madrugada, mas os bombeiros consideraram que ainda não era possível entrar. O número de obras afetadas ainda não foi estimado. "Ele ficou triste realmente, porque não sabe a extensão dos danos nos quadros. Inclusive havia obras que iam participar de uma exposição", disse Paulo Henrique Vilela, amigo da família.

O caso já foi registrado no 1º DP (Copacabana), e está sendo investigado, informou a Polícia Civil. Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) realizaram perícia na noite de segunda-feira no imóvel e a filha dos donos do apartamento prestou depoimento. Ela disse acreditar que, de fato, o incêndio tenha sido causado por um curto-circuito em um aparelho de ar-condicionado. O delegado titular Márcio Mendonça aguarda o resultado do laudo pericial para saber se o incêndio foi criminoso ou acidental. O documento deve sair em 15 dias.

Tudo o que sabemos sobre:
incêndiocoberturamarchandRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.