Kassab alega desconhecer intimidação e insiste na apuração das denúncias

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, declarou ontem que não sabe de nenhuma ameaça do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). "Eu desconheço essas ameaças e continuo com a posição de que as denúncias graves e muito consistentes têm de ser esclarecidas o mais rápido possível", afirmou o prefeito, uma das principais lideranças nacionais do DEM, ao Estado.

Julia Duailibi e Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

01 Dezembro 2009 | 00h00

De acordo com Kassab, os relatos que recebeu após a reunião da cúpula do seu partido com Arruda não apontavam para uma radicalização do discurso do governador. Na entrevista, concedida no início da noite, ele negou qualquer vínculo com irregularidades no governo do Distrito Federal e defendeu "punições exemplares" para os envolvidos com o esquema investigado pela Polícia Federal.

DESGASTE

O prefeito já havia sido indagado sobre o "mensalão do DEM" durante almoço com cerca de 150 empresários e executivos, em um hotel da capital paulista. Ele admitiu que a suspeita de corrupção que pesa contra Arruda gera um desgaste inédito para o seu partido.

Kassab afirmou que considera as denúncias consistentes, mas evitou especificar qualquer punição administrativa interna para o governador, que ontem argumentou ter sido vítima de uma denúncia "conduzida", de modo a comprometê-lo.

Considerado pelas lideranças do DEM como um dos políticos responsáveis por tentar mudar a imagem do partido, antigo PFL, Kassab vai manter a defesa das investigações para o caso, a fim reforçar o perfil de gestor afeito à transparência.

"Nosso governo sempre quer fazer tudo com a mais absoluta clareza. Até por isso que colocamos a relação de todos os servidores na internet e seus salários, com o objetivo de mostrar que não existem funcionários fantasmas no governo", disse.

SEM DEFESA

Assim como outros caciques, Kassab não saiu em defesa do governador, por considerar "fortes" as imagens do recebimento de propina, gravadas pelo ex-secretário David Barbosa.

No momento em que enfrenta um desgate inédito por causa do aumento do IPTU e da passagem de ônibus, o prefeito tem recebido sugestão dos assessores para que se mantenha afastado das decisões que o partido deve tomar sobre Arruda.

"Caso sejam confirmadas as suspeitas, que a punição seja exemplar", reforçou. "Vamos esperar as investigações."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.