Lei antifumo ameaça lei do Silêncio

A lei antifumo trouxe aos moradores do entorno das áreas boêmias o receio de outro tipo de poluição: a sonora. No primeiro dia de aplicação de multas, a fiscalização fez fumantes fazerem das calçadas um refúgio, com direito a festas paralelas ao longo de toda a madrugada. As associações de moradores dizem estar ?de orelha em pé?.

Agencia Estado

08 Agosto 2009 | 08h04

?Existem casas noturnas que já estão em locais inapropriados e o barulho extra dos fumantes pode ser um complicador?, afirma o presidente do Conselho de Segurança (Conseg) de Monções, Sérgio Lucon. A entidade abrange a área da Vila Olímpia - reduto de casas noturnas na zona sul da capital paulista. ?Este fim de semana será crucial para avaliarmos o problema?, completa Cibele Sampaio, secretária da Sociedade dos Amigos do Brooklin Novo (Sabron). ?O ruído já causa muitos transtornos e a tendência é aumentar.?

Olivia Costa, presidente do Conseg de Santo Amaro, afirmou que espera pela volta às aulas - quando universitários retornarão aos bares - para reforçar as ?campanhas de silêncio?. ?A lei antifumo pode agravar um problema que já existe. A conscientização é a melhor maneira de reduzir excessos.?

Abrahao Badra, presidente da Associação de Moradores da Vila Nova Conceição - que também reúne bares e restaurantes - é outro que prevê uma ameaça à Lei do Silêncio. ?Todos os fatores que ensejam aglomeração fora dos bares, e de madrugada, nos causam preocupação?, diz. ?E fica a dúvida sobre a quem poderemos recorrer?, diz Badra. Ligia Horta, que fala em nome dos moradores de Moema, e já precisa enfrentar o barulho dos aviões de Congonhas, também se preocupa com essa possibilidade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
lei antifumo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.